segunda-feira, dezembro 19, 2005

sexta-feira, dezembro 02, 2005

O Fiel Jardineiro


Um filme a não perder!

Uma visão ficcionada sobre a realidade dos ensaios clínicos em África e o auxílio humanitário das grandes Farmacêuticas, que deixa a questão a quem vê: é só ficção esperamos!?

Em torno destse enredo, um romance muito bem montado, com o jogo dos valores e do sucesso em torno da diplomacia internacional.

Recomendo!

AS

quarta-feira, outubro 19, 2005

Elogio ao amor

"Há coisas que não são para se perceberem. Esta é uma delas. Tenho uma coisa para dizer e não sei como hei-de dizê-la. Muito o que se segue pode ser, por isso, incompreensível. A culpa é minha. O que for incompreensível não é mesmo para se perceber. Não é por falta de clareza. Serei muito claro. Eu próprio percebo pouco do que tenho para dizer. Mas tenho de dizê-lo. O que quero é fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade. Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão. Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria. Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em "diálogo". O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões. O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem. A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática. O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam "praticamente" apaixonadas. Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço. Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do "tá bem, tudo bem", tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas. Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor,a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo? O amor é uma coisa, a vida é outra. O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso "dá lá um jeitinho sentimental". Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos. Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade. Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto. O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor. A "vidinha" é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende. O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser. O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem. Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder. Não se pode resistir. A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a Vida inteira, o amor não. Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também.
Miguel Esteves Cardoso - Expresso

sábado, outubro 01, 2005

Por favor "Evite...os US"

Mas em que século é que vivemos...?

"Os cidadãos do estado da Flórida poderão, a partir de hoje, transportar uma arma consigo e disparar sempre que alguém constitua uma ameaça num local público. A lei foi promulgada em Abril pelo governador Jeb Bush e está a ser mal recebida por um grupo denominado A Campanha Brady, que decidiu contra-atacar com a publicação de frases publicitárias para prevenir os turistas. "Evite qualquer discussão", poderá ler-se, a partir de amanhã, na imprensa norte-americana e britânica, em alguns jornais franceses, alemães e japoneses."

in DN, 1 oct 05

quarta-feira, setembro 28, 2005

22º lugar: bom ou mau?


Portugal ocupa o 22º lugar no Índice Global da Competitividade do Fórum Económico Mundial, tendo subido dois lugares face à posição ocupada no ranking do ano passado, revela o relatório GCR 2005-2006, divulgado esta quarta-feira pelo Fórum Mundial.
A lista deste ano foi alargada para analisar o ambiente económico e institucional de 117 países, contra os 104 analisados no ano anterior. Os três países mais competitivos do Mundo (Finlândia, EUA e Suécia) mantêm a liderança do ranking global.
A posição de Portugal resulta de uma avaliação, segundo a qual, a burocracia e a ineficiência da administração pública aparece como principal factor de bloqueio para a realização de negócios, seguindo-se o carácter restritivo da legislação laboral.
in Diário Digital

quinta-feira, setembro 22, 2005

Prost !


Em jeito de celebração passei um 21 de Setembro na Oktoberfest. Uma(s) das que bebi foi por vocês!

Só vendo é que dá para acreditar! Todas as fotos que poderia tirar jamais mostrariam o que é o Wiesn na realidade... É, de certeza, uma das maiores festas do mundo!
Se passarem por aqui avisem-me, eu pago !

Abraços e até daqui a umas semanas!

terça-feira, setembro 20, 2005

Meados de Setembro


Acho que o gráfico diz tudo...
Abraço

ps. o que vale e que a Oktoberfest já começou...daqui a uns dias trago mais novidades!

quarta-feira, setembro 14, 2005

Mega-Bandeira

Santana Lopes não saiu da Câmara Municipal de Lisboa sem antes oferecer à cidade uma mega-bandeira nacional (a maior do país), que ficará hasteada no alto do Parque Eduardo VII. A ideia até que é boa, nem que seja para instalar algum sentimento nacional nos lisboetas. Instalou-se há algum tempo na sociedade uma ideia deturpada de que "sentimento nacional" rimava com "ditadura fascista", uma autêntica estupidez. Ideia essa que nos fez renegar um pouco esses símbolos, que embora materialmente insignificantes, nos relembram de que fazemos parte de uma associação de portugueses, com objectivos e características comuns. Que nos fazem lembrar que fazemos parte de um todo. Depois da febre passageira do Euro'2004 as bandeiras voltaram para as gavetas ou ficaram mesmo a ser comidas pelo sol esquecidas numa janela qualquer. Ainda não percebo o porquê de só se hastear as bandeiras nas instituições públicas aos domingos e feriados. As bandeiras deviam estar sempre, todos os dias, hasteadas nesses locais, para nos lembrarem que aquele património e aqueles serviços são de e para todos, uma pertença nossa, não de um "ente" distante chamado Estado, em que os seus próprios membros não se revêm nele. Ficam só estes pequenos reparos.

terça-feira, setembro 13, 2005

Praga: ver e chorar por mais ...

Karlov Most (Charles Bridge), 6h...
Um dos mais bonitos nascer do sol que já assisti !

Onde simplesmente deambular sem destino pela cidade era um prazer.

Não percam...
Abraços

ps. Afinal estar no centro da Europa tem as suas vantagens!

domingo, setembro 11, 2005

Portugueses e Portuguesas

Enganem-se aqueles que ainda consideram os partidos como aqueles movimentos românticos de profusão de ideais e utopias estratégicas. O partido há muito deixou de ser isso, se é que alguma vez foi na história. O cerne de um partido político nunca foi composto por essas substâncias imateriais, mas apenas pelas pessoas que o compõem. O centro do partido é a sua clientela. O seu objectivo é servi-la com a força natural inerente a qualquer associação de homens. E assumir esta sua natureza de gestor de interesses pessoais, é meio caminho andado para se ter uma visão mais clara de todo o sistema político, assim como é fundamental para os próprios portugueses terem consciência do seu papel nesse mesmo sistema de que também fazem parte. Assim, as expulsões que têm existido de militantes que fazem parte de listas de independentes concorrentes com as dos seus partidos, não se efectuam por eles terem ficado menos sociais-democratas, socialistas ou comunistas, mas apenas porque atraiçoaram toda uma cadeia de interesses montados dentro desses aparelhos, porque desrespeitaram uma ordem interna e regras da associação a que pertenciam; a valoração dos seus ideais políticos em nada contou para estas decisões.

Podem muitos lamentar esta natureza interesseira dos partidos e dos seus membros. Podem até culpabilizar esta “máfia” do estado a que chegou a democracia. Mas eu não dou razão a nenhum deles. O estado a que chegámos não é culpa dos partidos, muito menos da sua máquina de interesses e posições. É culpa é do cidadão independente que cada dia que passa se desresponsabiliza perante a sua comunidade. É culpa é do cidadão independente que refugiado numa ideia em que só aos partidos cabe o domínio do político se demitiram das suas responsabilidades. E não é só porque deixaram de votar ou porque deixaram de participar nos vários planos que têm ao seu dispor, é porque se bem que exigem aos políticos pouco exigem a eles próprios. A política não é dos partidos, é de todos. Os partidos sabem disso, parece que os outros é que não. Veja-se a questão das presidenciais, que sendo a única eleição em que o acesso está vedado aos partidos, a maioria resignou-se a que fossem esses que lançassem as candidaturas pouco ou nada independentes. Onde ficaram todos aqueles que não são militantes? Demitiram-se e estão felizes com os seus bodes expiatórios.

sexta-feira, setembro 09, 2005

Um crime na Ota

Luís Campos e Cunha foi a primeira vítima a tombar em virtude desses crimes em preparação que se chamam aeroporto da Ota e TGV. Não se pode pedir a alguém que vem do mundo civil, sem nenhum passado político e com um currículo profissional e académico prestigiado que arrisque o seu nome e a sua credibilidade em defesa das políticas financeiras impopulares do Governo e que, depois, fique calado a ver os outros a anunciarem a festa e a deitarem os foguetes.

Não se pode esperar que um ministro das Finanças dê a cara pela subida do IVA e do IRS, pelo aumento contínuo dos combustíveis e pelo congelamento de salários e reformas, que defenda em Bruxelas a seriedade da política de combate ao défice do Estado, e que, a seguir, assista em silêncio ao anúncio de uma desbragada política de despesas públicas à medida dos interesses dos caciques eleitorais do PS, da sua clientela e dos seus financiadores.

O afastamento do ministro das Finanças e a sua substituição por um homem do aparelho socialista é mais do que um momento de descredibilização deste Governo, de qualquer Governo.

É pior e mais fundo: é um momento de descrença, quase definitiva, na simples viabilidade deste país. É o momento em que nos foi dito, para quem ainda alimentasse ilusões, que não há políticas nacionais nem patrióticas, não há respeito do Estado pelos contribuintes e pelos portugueses que querem trabalhar, criar riqueza e viver fora da mama dos dinheiros públicos; há, simplesmente, um conúbio indecoroso entre os dependentes do partido e os dependentes do Estado.

Quando oiço o actual ministro das Obras Públicas - um dos vencedores deste sujo episódio - abrir a boca e anunciar em tom displicente os milhões que se prepara para gastar, como se o dinheiro fosse dele, dá-me vontade de me transformar em "off-shore", de desaparecer no cadastro fiscal que eles querem agora tornar devassado, de mudar de país, de regras e de gente.

Há anos que vimos assistindo, num crescendo de expectativas e de perplexidade, ao anunciar desses projectos megalómanos que são o TGV e o aeroporto da Ota. O mesmo país que, paulatinamente e desprezando os avisos avulsos de quem se informou, foi desmantelando as linhas-férreas e o futuro do transporte ferroviário, os mesmos socialistas que, anos atrás, gastaram 120 milhões de contos no projecto falhado dos comboios pendulares, dão-nos agora como solução mágica um mapa de Portugal rasgado de TGV de norte a sul.

Mas a prova de que ninguém estudou seriamente o assunto, de que ninguém sabe ao certo que necessidades serão respondidas pelo TGV, é o facto de que, a cada Governo, a cada ministro que muda, muda igualmente o mapa, o número de linhas e as explicações fornecidas.

E, enquanto o único percurso que é economicamente incontestável - Lisboa-Porto - continua pendente de uma solução global, propõe-nos que concordemos com a urgência de ligar Aveiro a Salamanca ou Faro a Huelva por TGV (quantos passageiros diários haverá em média para irem de Faro a Huelva - três, cinco, sete mais o maquinista?).

Quanto ao aeroporto da Ota, eufemisticamente baptizado de Novo Aeroporto Internacional de Lisboa, trata-se de um autêntico crime de delapidação de património público, um assalto e um insulto aos pagadores de impostos.
Conforme já foi suficientemente explicado e suficientemente entendido por quem esteja de boa-fé, a Ota é inútil, desnecessário e prejudicial aos utentes do aeroporto de Lisboa.

E, como o embuste já estava a ficar demasiadamente exposto e desmascarado, o Governo Sócrates tratou de o anunciar rapidamente e em definitivo, da forma lapidar explicada pelo ministro das Obras Públicas: está tomada a decisão política, agora vamos realizar os estudos.

Mas tudo aquilo que importa saber já se sabe e resulta de simples senso comum:
- basta olhar para o céu e comparar com outros aeroportos para perceber que a Portela não está saturada, nem se vê quando o venha a estar, tanto mais que o futuro passa não por mais aviões, mas por maiores aviões;
- em complemento à Portela, existe o Montijo e, ao lado dela, existe uma outra pista, já construída, perfeitamente operacional e que é uma extensão natural das pistas da Portela, que é o aeroporto militar de Alverca - para onde podem ser desviadas todas as "low cost", que não querem pagar as taxas da Portela e menos ainda quererão pagar as da Ota;
- porque a Portela não está saturada, aí têm sido gastos rios de dinheiro nos últimos anos e, mesmo agora, anuncia-se, com o maior dos desplantes, que serão investidos mais meio bilião de euros, a título de "assistência a um doente terminal", enquanto a Ota não é feita;
- os "prejuízos ambientais", decorrentes do ruído que, segundo o ministro Mário Lino, afectam a Portela são uma completa demagogia, já que pressupõem não prejuízos actuais, mas sim futuros e resultantes de se permitir a urbanização na zona de protecção do aeroporto;
- a deslocação do aeroporto de Lisboa para cerca de 40 quilómetros de distância retirará à cidade uma vantagem comercial decisiva e acrescentará despesas, consumo de combustíveis, problemas de trânsito na A1 e perda de tempo à esmagadora maioria dos utentes do aeroporto, com o correspondente enriquecimento dos especuladores de terrenos na zona da Ota, empreiteiros de obras públicas e a muito especial confraria dos taxistas do aeroporto.

O negócio do aeroporto é tão obviamente escandaloso que não se percebe que os candidatos à Câmara de Lisboa não façam disso a sua bandeira de combate eleitoral e que, à excepção de Carmona Rodrigues, ainda nem sequer se tenham manifestado contra. Carrilho já se sabe que não pode, sob pena de enfrentar o aparelho socialista e os interesses a ele associados, mas os outros têm obrigação de se manifestarem forte e feio contra esta coisa impensável de uma capital se ver roubada do seu aeroporto para facilitar negócios particulares outorgados pelo Estado.

A Ota e o TGV, que fizeram cair o ministro Campos e Cunha, são um exemplo eloquente daquilo que ele denunciou como os investimentos públicos sem os quais o país fica melhor.

Como o Alqueva, à beira de se transformar, como eu sempre previ, num lago para regadio de campos de golfe e urbanizações turísticas, ou os pendulares do ex-ministro João Cravinho, ou os estádios do Euro, esse "desígnio nacional", como lhe chamou Jorge Sampaio, e tão entusiasticamente defendido pelo então ministro José Sócrates. Os piedosos ou os muito bem intencionados dirão que é lamentável que não se aprenda com os erros do passado. Eu, por mim, confesso que já não consigo acreditar nas boas intenções e nos erros de boa-fé. Foi dito, escrito e gritado, que, dos dez estádios do Euro, não mais de três ou quatro teriam ocupação ou justificação futura.

Não quiseram ouvir, chamaram-nos "velhos do Restelo" em luta contra o "progresso". Agora, os mesmos que levaram avante tal "desígnio nacional", olham para os estádios de Braga, Bessa, Aveiro, Coimbra, Leiria e Faro, transformados em desertos de betão e num encargo camarário insustentável, e propõem-nos um TGV de Faro para Huelva e um inútil aeroporto para servir pior os seus utilizadores, e querem que acreditemos que é tudo a bem da nação?

Não, já não dá para acreditar. O pior que vocês imaginam é mesmo aquilo que vêem. Este país não tem saída. Tudo se faz e se repete impunemente, com cada um a tratar de si e dos seus interesses, a defender o seu lobby ou a sua corporação, o seu direito a 60 dias de férias, a reformar-se aos 50 anos ou a sacar do Estado consultorias de milhares de contos ou empreitadas de milhões. E os idiotas que paguem cada vez mais impostos para sustentar tudo
isto.

Chega, é demais!!!


Miguel Sousa Tavares

domingo, setembro 04, 2005

O fogo é a mensagem

As televisões passam e repassam as imagens dos fogos até à exaustão. Se o público dá sinais de cansaço, procuram aumentar a intensidade do drama até à próxima desgraça. Depois do caso Casa Pia, o suposto arrastão, enquanto não vem o terrível fascínio das chamas de Verão. É como alguém que para se fazer ouvir grita cada vez mais alto, até que o ruído torna tudo inaudível.

Tem sido objecto de discussão se devem existir limites à hiperabundância de imagens sobre o fogo nas televisões. Do ponto de vista normativo, a ideia de limites é sempre importante quando se trata do poder. Do ponto de vista conceptual, pode ser afirmado que as televisões exercem um poder, um poder fundado no facto de serem "meios de percepção" da realidade. Como meios de percepção da realidade, devem nortear-se por critérios de responsabilidade. No entanto, a tentação de condicionar estes meios de percepção do real é sempre grande, seja para fins políticos, através da propaganda, seja para fins económicos e comerciais.

Sendo grande a responsabilidade dos meios de percepção da realidade, os critérios que as televisões seguem pouco têm a ver com a responsabilidade. Em primeiro lugar, têm a ver com a sua demasiada dependência das técnicas, em particular das técnicas de captação e manipulação das imagens. A televisão é o universo das imagens técnicas, da tecnoimagem, caracterizando-se por manter uma corrente inflacionária de imagens, como se elas fossem a realidade a correr à nossa frente. As televisões vivem da opulência imagética e as tecnologias garantem essa abundância. Mas o público não precisa de tantas imagens, estas é que precisam de público. Nós somos espectadores das imagens que os aparelhos sofisticados nos fornecem. E por detrás desses dispositivos já não estão apenas os homens, mas a programação dos aparelhos. As imagens que as tecnologias nos fornecem são autónomas das nossas necessidades e até, em parte, do nosso controlo. Em grande medida, já nem é possível apagar as imagens. Elas estão nos autocarros, metros, aviões, aeroportos, ruas, locais públicos, por toda a parte.

A televisão serve a televisão, não serve o bem público.Por isso, as televisões passam e repassam as imagens dos fogos até à exaustão. Se o público dá sinais de cansaço, procuram aumentar a intensidade do drama até à próxima desgraça. Depois do caso Casa Pia, o suposto arrastão, enquanto não vem o terrível fascínio das chamas de Verão. É como alguém que para se fazer ouvir grita cada vez mais alto, até que o ruído torna tudo inaudível. É difícil às televisões escaparem a este destino. Estes meios de percepção da realidade condicionam o público, embora este condicionalismo não seja idêntico para todas as pessoas. Há um poder de sugestão que é sempre posto em marcha pelas televisões. Desde finais do século XIX que a imprensa é analisada no âmbito das novas formas de sugestão.

O fenómeno da sugestão é fulcral nos processos da psicologia colectiva. A televisão deixa a sua marca de sugestão no público. Qualquer público pode ser trabalhado por impulsos estranhos, actos excessivos, reacções psíquicas misteriosas.As tecnoimagens não reflectem a realidade, refractam a realidade, quando não a tornam opaca. Desde logo porque nenhuma imagem é a realidade, e depois porque estas podem ocultar as questões principais. Porque é que cada ano há mais fogos? Como é que chegámos a uma situação em que o Estado não consegue impedir que o país arda desta forma? Será hoje Portugal uma comunidade coesa, temos nós algum projecto nacional, capaz de preservar o património biológico, ambiental, histórico, temos nós algum projecto que seja algo mais do que sermos tão consumidores como os cidadãos dos países mais ricos? Em segundo lugar, os critérios das televisões estão subjugados ao mercado, via publicidade. As televisões são não só um negócio, como um poderoso instrumento do mundo comercial e da expansão desse mundo. Quando emitem ao longo da noite e ao fim-de-semana, não o esqueçamos, estão a espalhar o mundo comercial a qualquer hora e dia; o mundo comercial está a penetrar nas nossas casas e na nossa consciência.

O mundo comercial, através das televisões, não nos dá descanso. As televisões estão, portanto, entre os dois ídolos do nosso tempo: a tecnologia e o mercado. Quem ousa questionar o desenvolvimento da tecnologia? Quem tem dúvidas se tal ou tal tecnologias têm consequências nocivas para a comunicação? Se têm consequências nocivas para o ambiente ou para a nossa noção de dignidade humana? A nossa vida é alterada pela tecnologia, o jornalismo é alterado pela tecnologia, e a nós só nos cabe celebrá-la, adaptarmo-nos a ela. A tecnologia aparece como se fosse neutral, dizem-nos que depende de ser bem ou mal usada. Ora, esta é uma noção errada. Até porque hoje a tecnologia e o mercado são interdependentes. Avançam só as tecnologias valorizadas pelo potencial de mercado, com base em expectativas com fundamento ou sem fundamento; ao mesmo tempo o mercado necessita de novas tecnologias para implementar o consumo.

O mercado, hoje, é global e encontra-se desregulado, segundo a doutrina de que a economia de mercado se basta a si própria. Tecnologia e mercado não estão ao serviço das necessidades humanas, as nossas necessidades são ditadas ou muito condicionadas pela tecnologia e pelo mercado. A dificuldade está em limitar poderes que têm estado fora do controlo, fora de um quadro de regulação ético efectivo. O panorama dos media é o de uma informação transformada profundamente pela revolução tecnológica e comercial.

A comunicação social arrisca-se a sair fora da esfera da cultura e do próprio âmbito comunicativo, ao desvincular-se de qualquer valor ético e politicamente relevante. Não é fundamental a concertação entre os três canais. É bom que a RTP avance com esta proposta, mas o essencial é começar a dar o exemplo de contenção, evidentemente com maior imperativo moral no domínio do serviço público. Caso contrário, passa a imperar o esquema imoral de que só seremos éticos se os outros forem. Todavia, é evidente que um acordo entre todos os canais nesta matéria seria uma óptima iniciativa. Tanto mais que os grandes problemas do país, como é o caso, só se enfrentam com posições que pressupõem um projecto de coesão nacional, de desígnio nacional.

José Luís Garcia - Investigador no Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Lisboa

in Público 03/09/2005

sexta-feira, agosto 26, 2005

Mais um belo dia de Verão na Baviera

23 de Agosto,10h da manhã, 12º, prestes a fazer 72 horas sem parar de chover...

Num estado de pré-depressão solar vem-me à cabeça: "Cada um tem o que merece..."

Há poucas coisas piores do que não ter Verão, aproveitem-no por ai !

À espera do sol,
Abraços

terça-feira, agosto 16, 2005

Férias

Passamos a informar que fechámos para férias. Vamos entrar numa época de reflexão e de inspiração para a época Blog 2005/2006 que nos espera após as férias!

Aceitamos convidados...

AS

terça-feira, julho 26, 2005

Próxima paragem: Londres

Amanha vou para Londres! Pela primeira vez vou a uma Capital Europeia, logo sozinho, e estou contente com a ideia. Uma viagem a um Congresso Internacional de Ciência, com estudantes de todo o Mundo de várias áreas académicas! Espero conseguir escrever no blog para poder partilhar as sensações de visitar Londres! Estou entusiasmado!

See you soon!

AS

quarta-feira, julho 20, 2005

Projecto Ulysses

Tinha já há algum tempo marcado para estas férias a grande jornada que é ler o "Ulisses" de James Joyce, aquela que muitos consideram a obra cimeira de toda a literatura moderna universal. É um senhor livro com as suas 848 páginas e quase um quilo de peso, físico esse que se complementa com um conteúdo, dizem alguns, igualmente pesado. Como não quero ler apenas as primeiras 100 páginas, e remeter o livro para a terceira prateleira da minha estante; como julgo que outros existem, que vivem este dilema de o quererem ler, mas com o medo de lhes faltar a coragem e a paciência de o aguentar até ao fim (neste caso ao fim do único dia ficcionado); julgo que devemos seguir o lema de a "união fazer a força" e copiar a técnica de leitura partilhada.
Assim sendo aceitam-se associados ao Projecto Ulysses. A ideia é cada um dos leitores ler a obra capítulo a capítulo, trocando-se ideias, apartes e informações sobre o capítulo lido, nos intervalos dos mesmos, discussão essa que pode ser feita num blog próprio ou até mesmo pessoalmente. Desta forma a leitura será muito mais agradável para todos. Posto isto aceitam-se inscrições até ao fim do mês de Julho. Estou à vossa espera com o livro na cabeceira.

sábado, julho 16, 2005

John Mayer

Numa altura de estudo e mais estudo... ... aqui fica uma especial recomendação para ouvir num sábado à tarde solarengo: John Mayer

AS

segunda-feira, julho 11, 2005

Vê se podeis comungar...

O Instrumentus Laboris, do último sínodo de bispos de todo o mundo, alerta para o facto de os católicos que "apoiam publicamente escolhas imorais como o aborto" ou que "apoiem candidatos abertamente a favor do aborto ou de outros actos graves contra a vida, a justiça e a paz" estão em estado de pecado mortal, e como tal, não devem partilhar da comunhão na missa.
O pecado mortal é a morte espiritual da nossa alma, sem o arrependimento do pecador e o perdão de Deus ocorre a morte eterna no Inferno.
Aos 60,30% de eleitores, que façam parte do grupo de 90,8% de portugueses católicos, que cometeram a imoralidade de votar em candidatos abertamente a favor do aborto, nas últimas legislativas, alerto que têm de rapidamente pedir de coração perdão a Deus, reconciliando-se com Ele o quanto antes, fazendo uma boa confissão. Todavia, não basta a confissão deste acto, porque permanecem vícios que consomem o homem por dentro, para esses, o Rosário é uma arma poderosa.

quinta-feira, julho 07, 2005

Londres

Londres alvo de mais um ataque terrorista no Mundo! Resta-nos lamentar e viver a liberdade que querem que o "medo permanente" nos retire!
Dia 27 de Julho lá estarei na grande cidade de Londres pela primeira vez, para gozar dessa liberdade a que todos nós temos direito!

segunda-feira, julho 04, 2005

Filme à Segunda

"Dez de Junho, praia de Carcavelos. Muitos jovens juntam-se ao sol. Há tensão e insultos. Depois chegará a polícia. Às 20h, as televisões apresentam ao país “o arrastão", um crime massivo, centenas de assaltantes negros, em pleno Dia de Portugal. O noticiário torna-se narrativa apaixonada de um país de insegurança e “gangs", terror e vigilância. A maré engole o desmentido policial da primeira versão dos incidentes e vários testemunhos sobre uma inventona. “Era uma vez um arrastão” passa em revista um crime que nunca existiu, a atitude dos media perante uma história explosiva e as consequências políticas e sociais de uma notícia falsa. Antes que esta nova crise de pânico passe ao arquivo morto, é necessário inscrevê-la na história da manipulação de massas em Portugal."

Podia estar aqui a falar-vos do belo filme "Mr. & Mrs. Smith", que fui ver e que me estupidificou q.b., após uma época intensa de exames. Decidi porém poupar-vos a uma análise profunda de um filme tão intenso como esse e publicitar o vídeo da Diana Andringa sobre o arrastão de Carcavelos: "era uma vez um arrastão". Tenha ela ou o sr. Rodrigues Guedes de Carvalho razão, o facto é que me alertou uma vez mais para a necessidade de duvidarmos, não só de uma certa propaganda política (como até pode ser este caso), como do próprio relativismo do jornalismo português, por tantos tido como: a verdade do país e do mundo.

sexta-feira, julho 01, 2005

Música à Sexta



Para quem gosta dos sons minimalistas do piano de Wim Mertens ou Michael Nyman recomendo que ouçam o teclar do maestro italiano Ludovico Einaudi, que recentemente, e pela primeira vez, esteve em Portugal a promover o seu novo disco "Una Mattina". Ainda durante este ano voltará para concertos, entretanto, é a sua música que acompanha o último anúncio comercial da BMW. É só um piano, duas mãos e dez dedos...

quinta-feira, junho 30, 2005

Portugal II


Passo a contar um breve episódio que vivi há uns dias! Um professor meu com o qual tenho alguma confiança e muito respeito, tinha na lapela do casaco o escudo de Portugal. Após vários meses de aulas com o mesmo era a primeira vez que reparava no pormenor e sendo eu antigo aluno do Colégio Militar, partilho o hábito de austentar um símbolo ao peito, no meu caso a barretina, senti curiosidade e questionei o professor sobre o significado do símbolo. O professor orgulhosamente partilhou que se tinha proposto a um novo objectivo, procurar elevar a auto-estima dos portugueses. Argumentou que os símbolos e o seu uso são algo associdado sempre ao orgulho de pertencer ou ser e que por isso decidiu seguir a cultura do símbolo relativamente a Portugal, procurando diariamente levantar a auto-estima dos portugueses. Disse-o como que anunciando que ele não desiste, que ele acredita! Falou-me inclusivé em procurar uma estrutura ou criar uma que tivesse esse espírito, mas para já limitava-se diariamente a levar consigo um dos valores em que acredita e vive! Fiquei sensibilizado com a ideia e à minha maneira procurarei levantar essa auto-estima, mesmo que apenas sirva para mudar a mentalidade de um português, para já e aqui no mundo da Blogosfera procurarei divulgar os Portugueses que brilham por esse Mundo fora com prémios, com obra feita, ou escreverei apenas sobre aqueles que anonimamente a meu ver são uma mais valia. Não quero com isto dizer que deixarei de fazer as minhas críticas, longe disso, apenas vou fazer aquilo que sempre defendi, valorizar também o positivo e sobretudo o positivo! Tiago e Gonçalo espero que alinhem!

Esperemos que a chama deste objectivo não se apague!

AS

Portugal I

Vivemos numa época de slogans resultado de quem tem a melhor equipa de marketing por trás, de falta de inicitiava própria, onde muitas vezes falamos não o que pensamos, mas o que a moda impõe. Portugal é claramente um país onde a imaginação, a pró-actividade, a coragem de ir à busca do desconhecido, ou simplesmente os princípios da competividade, de vencer pela qualidade são escassos e raros, o que não significa que não existam. Existem e devem ser anunciados, louvados, devemos segui-los.
Temos uma democracia recente comparativamente à restante Europa. O nível cultural não é elevado e os números anunciam igualmente que os parametros que reflectem o nível educacional do nosso país ficam longe dos da restante Europa da zona Euro (vamos compararmo-nos à zona Euro, pois é por cima que as comparações se fazem quando queremos ser ambiciosos). Estas diferenças talvez possam explicar muitas atitudes. Adquirimos vários direitos há não muito tempo e dessa forma sempre que se fala em mudanças, surge a sombra de os perder, ou surge a ilusão que os direitos são vitalícios e que nada, nem ninguém os pode retirar qualquer que seja a conjuntura. Por outro lado, como já referi, poucos são aqueles dispostos a colmatar a ausência desses "novos" direitos com a imposição de novos desafios, com a capacidade de encontrar soluções por inicitiva própria e em prol dos outros. Este receio resulta talvez do egoísmo pessoal de cada um de nós, do receio do fracasso, da ausência de espírito empreendedor, do sentimento de que os direitos não implicam deveres. Todas estas variáveis podem ser trabalhadas construíndo e promovendo uma mentalidade diferente que acabe de vez com aqueles que dizem e anunciam como se fossem os heróis do novo milénio que "lá fora é que é", que "este país não tem solução", que "Portugal só para férias". Quero com isto dizer que a solução passa por sabermos valorizar o que temos e acreditarmos em nós própios. A solução passa por dar o exemplo! Aprendi este valor no Colégio Militar e procuro segui-lo todos os dias, nem sempre se consegue. O exemplo naquilo que acreditamos no dia a dia.
Todos ambicionamos melhor qualidade de vida, sucesso pessoal e profissional, viver num país civilizado, que respeite o ambiente, que nos permita usufruir das invenções do último século e das inovações do actual. Se queremos um Portugal com os valores que defendemos, deixemos de nos martirizar, de vitimizar! Passemos a pertencer àqueles que reagem, que se mexem, que procurando o sucesso, dão espaço para conquistar o sucesso de Portugal! Nacionalista, conversa fácil e moralista! Se quiserem encarar assim, é uma opção que por certo vos levará a sentirem-se mais leves, aliás com toda a certeza menos problemas terão de resolver! Não disse que este objectivo é fácil, mas cabe a cada um de nós promovê-lo e ir atrás desse sonho!

terça-feira, junho 28, 2005

Porque não?...

Exmo Sr. Primeiro Ministro.


Venho por meio desta comunicação manifestar meu total apoio ao seu esforço de modernização do nosso país. Como cidadão comum, não tenho muito mais a oferecer além do meu trabalho, mas já que o tema da moda é Reforma Tributária, percebi que posso definitivamente contribuir mais.

Vou explicar:
Na actual legislação, pago na fonte 31% do meu salário (20 para o IRS e 11 para a Segurança Social). Como pode ver, sou um cidadão afortunado. Cada vez que eu, no supermercado, gasto o que o meu patrão me pagou, o Estado, e muito bem, fica com 19% para si (31+19P) Sou obrigado a concordar que é pouco dinheiro para o governo fazer tudo aquilo que promete ao cidadão em tempo de campanha eleitoral. Mas o meu patrão é obrigado a dar ao Estado, e muito bem, mais 23,75% daquilo que me paga para a Segurança Social. E ainda 33% para o Estado (50+23.75+336.75).

Além disso quando compro um carro, uma casa, herdo um quadro, registo os meus negócios ou peço uma certidão, o Estado, e muito bem, fica com quase metade das verbas envolvidas no caso.

Minha sugestão, é invertermos os percentuais. A partir do próximo mês autorizo o Governo a ficar com 100% do meu salário..

Funcionaria assim: Eu fico com 6.75% limpinhos, sem qualquer ónus mas o Governo fica com as contas de:

-Escola,
-Seguro de Saúde,
-Despesas com dentista,
-Remédios,
-Materiais escolares,
-Condomínio,
-Água,
-Luz,
-Telefone,
-Energia,
-Supermercado,
-Gasolina,
-Vestuário,
-Lazer,
-Portagens,
-Cultura,
-Contribuição Autárquica,
-IVA,
-IRS,
-IRC,
-IVVA
-Imposto de Circulação
-Segurança Social,
-Seguro do carro,
-Inspecção Periódica,
-Taxas do Lixo, reciclagem, esgotos e saneamento
-E todas as outras taxas que nos impinge todos os dias.
-Previdência privada e qualquer taxa extra que por ventura seja repentinamente criada por qualquer dos Poderes Executivo, Legislativo E Judiciário.

PS: Podemos até negociar o percentual !!!

segunda-feira, junho 27, 2005

Ridículo


Significado:
1. Cuidado que há aviões por aí!
2. Pare, oiça e olhe!
3. Não se esqueça que tem de procurar no ar!
PS - alusão a uma trágica colisão entre um avião e um carro este fim de semana no norte país!

quinta-feira, junho 23, 2005

listening...


Stina Nordenstam - The World Is Saved

Vamos fechar para obras...



Acho que qualquer Português já compreendeu o estado da (des) organização dos serviços e ministérios que existe actualmente... Não é segredo para ninguém. Qualquer partido que esteja na oposição o diz a alta voz. E culpam sempre os anteriores governos de terem feito um mau trabalho e não terem respondido as promessas eleitorais. De promessas ilusórias e utópicas anda o povo farto. É necessário reestruturar.

Hoje em dia, todos pensam que tudo se faz de um dia para o outro. Políticas novas, planos e estratégias muito elaborados, todos cheios de princípios e valores correctos (pelo menos alguns). A verdade é que estas medidas para terem algum efeito prático levam anos a entrar em vigor. A cultura da mediocridade existente, face à distinção da “qualidade” nos serviços públicos, o aumento dos impostos face à redução da despesa (pergunto-me como é possível continuarem a aumentar o IVA de 19%, que já era uma medida extraordinária, para os 21%... O Reino Unido têm a 17,5%, a Espanha nossa vizinha, a 16%). Será que ainda não compreenderam que esse não é o caminho.. Perguntem a qualquer gestor de uma empresa o que fazer quando a empresa começa a entrar no vermelho?..

Mas o que sofremos hoje, desta desorganização total dos serviços, das contas públicas, não é apenas culpa deste governo. Nem do anterior. É culpa da falta de medidas estruturantes ao longo destes últimos 10, 20 anos de governação (e não vou mais longe no tempo). Se olharmos para outros países que estão numa boa situação económica, financeira e organizacional, percebemos se olharmos um pouco para trás que é em grande parte "culpa" dos governantes que tiveram nestes últimos. O caso da Inglaterra com Margaret Thatcher, as medidas fulcrais tomadas à vinte anos como alavanca para o sucesso de hoje em dia em certos países nórdicos, ou a aposta forte dos países do leste na educação.. Exemplos, há muitos.

Eu defendo que é necessário uma mudança como todos os Portugueses defendem. E essa mudança não poderá ser apenas uma mudança cosmética ou demagógica. É preciso realmente mudar, e implementar essas medidas. Precisamos de alguém com pulso e garra para levar este País onde todos desejamos. Precisamos de um lider. Faz também a tua parte. Sê lider, acredita em ti e acredita num Portugal melhor...Apenas não sei se chegarei a ver essa mudança tão cedo e "a tempo" porque para o caminho para onde estamos a ir só existe uma solução, fechar para obras...


quarta-feira, junho 22, 2005

Clean hands save lives!

Não consegui resistir a este post! Vinha eu a ouvir a TSF a caminho de casa ao fim de mais um dia de estudo, quando oiço a seguinte afirmação do Ministro Correia de Campos: "há muitas mãos que não são lavadas, quando passam de um doente para o outro. Há luvas que protegem o profissional, mas que transferem a infecção de um paciente para o outro. É ou não é verdade?". A declaração do Ministro pretende justificar a elevada taxa de infecções existententes no Hospital de São João do Porto, um número que atinge o dobro da média nacional.

Em 1847, um médico do Hospital de Viena, obrigou todos os profissionais de saúde que trabalhavam no departamento por si chefiado a desinfectar as mãos, o resultado desta regra consistiu num decréscimo das infecções no ano seguinte, 1848, de 13,1% para 1,3%. Esta pequena viagem ao passado é um exemplo que ajuda a fortalacer uma velha afirmação em Saúde Pública: "os 10 principais tranportadores de microrganismos responsáveis por infecções nosocomiais são os seus 10 dedos". A limpeza e higiene das mãos é uma regra básica de qualquer espaço de saúde em pleno secúlo XXI que se queira moderno, seguro, eficaz e que preste um serviço de qualidade ao cidadão comum.
A acusação já é grave, o facto de ser feita publicamente pelo Ministro da Saúde intensifica a gravidade da mesma! A verificarem-se estes factos é urgente que a nova administração do Hospital São João actue, caso contrário os profissionais de saúde deste Hospital têm toda a razão para contestar as afirmações e o Ministro tem de passar a tomar atenção a afirmações como: «Quando nós damos prioridade a investimentos em estádios de futebol em vez de hospitais, quando temos estádios que estão entre os melhores da Europa e não temos nenhum hospital nessas condições, alguma coisa está mal. É uma doença, mas e do país»

terça-feira, junho 21, 2005

É urgente permanecer...

É com grande pesar que nos despedimos deste grande homem. Eugénio de Andrade. Um dos mais conhecidos poetas Portugueses, e com mais obras traduzidas do que outro qualquer poeta nacional, foi um ícone na maneira como descrevia o seu mundo. Se muitos poetas portugueses da nossa época são marcados pelo desencanto, "Eugénio de Andrade vai buscar ao paraíso da infância, à intimidade com a terra, à pura felicidade de se ter um corpo a fulgurante alegria de alguns momentos privilegiados".




Urgentemente

É urgente o Amor,
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros,
e a luz impura até doer.
É urgente o amor,
É urgente permanecer.

Eugénio de Andrade

segunda-feira, junho 20, 2005

F1 - Portugal

Tiago Monteiro 3º lugar no Grande Prémio dos USA!

Podemos encarar este resultado como a consequência de 6 equipas terem desistido e afirmar facilmente: "questão de sorte".

Prefiro "acreditar e defender" tratar-se de um Português que trabalhou para conquistar essa sorte. Espero que o primeiro de muitos prémios!



"A sorte conquista-se!"

domingo, junho 19, 2005

Semana das Manifestações

1. Não deixa de ser bastante redutor a forma como muitos fixaram e fixam apenas a imagem de um Cunhal-democrático. Álvaro Cunhal chega à primavera de Abril já com 61 anos de idade, já na idade da teimosia não da coerência (se um adulto tiver comportamentos infantis não o chamamos de coerente). Com meio século de resistência, prisão, tortura, exílio, Cunhal temeu a democracia e nunca aprendeu a usá-la como instrumento para a sua utopia, que duvidosamente se pôde chamar democrática. A homenagem é em grande parte para o Cunhal-resistente, o Cunhal-mito, símbolo de esperança e luta contra a ditadura. Luta essa que a muitos pretensos democratas faltou a coragem de a encetar.

2. O Governo de Sócrates foi presenteado com a sua primeira grande manifestação de contestação, pondo-se um ponto final ao seu estado de graça. O problema de qualquer contestação da Função Pública é que lesa mais os utentes contribuintes que o próprio Estado. Sempre nos rimos de piadas e anedotas sobre a inércia do tipo de funcionário público, o Governo procede agora a um "ataque à função pública", em parte legitimado por esta descrença generalizada e noutra apertado pela necessidade de reduzir o sr. monstro-déficit. Maximizar a eficácia e eficiência da Administração Pública é essencial, exige-se é flexibilidade negocial dos dois lados, o que não está a acontecer: cada um é a favor que se reduza privilégios exagerados mas que se comece na casa do vizinho.

3. A semana acabou com a manifestação da estupidez nacional. Embora só tenham sido apenas umas centenas a não ter a vergonha de se manifestar, cada vez mais acredito que este tipo de sentimento sempre esteve generalizado pelo país, podendo aquelas centenas serem multiplicadas por muitas mais. Para "descolonizarem" Portugal como pretendem e como "fizeram com os mouros e com os espanhóis" só lhes basta arranjarem um líder carismático, ignorantes que votem neles temos que sobre.

sábado, junho 18, 2005

Donovan Frankenreiter



Um CD para ouvir ao fim do dia...

Obesidade Mental

O Prof. Andrew Oitke publicou o seu polémico livro «Mental Obesity», que revolucionou os campos da educação, jornalismo e relações sociais em geral. Nessa obra, o catedrático de Antropologia em Harvard introduziu o conceito de "Obesidade Mental" para descrever o que considerava o pior problema da sociedade moderna.

«Há apenas algumas décadas, a Humanidade tomou consciência dos perigos do excesso de gordura física por uma alimentação desregrada. Está na altura de se notar que os nossos abusos no campo da informação e conhecimento estão a criar problemas tão ou mais sérios que esses.»

Segundo o autor, «a nossa sociedade está mais atafulhada de preconceitos que de proteínas, mais intoxicada de lugares-comuns que de hidratos de carbono. As pessoas viciaram-se em estereótipos, juízos apressados, pensamentos tacanhos, condenações precipitadas. Todos têm opinião sobre tudo, mas não conhecem nada. Os cozinheiros desta magna "fast food" intelectual são os jornalistas e comentadores, os editores da informação e filósofos, os romancistas e realizadores de cinema. Os telejornais e telenovelas são os hamburgers do espírito, as revistas e romances são os donuts da imaginação.» O problema central está na família e na escola. «Qualquer pai responsável sabe que os seus filhos ficarão doentes se comerem apenas doces e chocolate. Não se entende, então, como é que tantos educadores aceitam que a dieta mental das crianças seja composta por desenhos animados, videojogos e telenovelas. Com uma «alimentação intelectual» tão carregada de adrenalina, romance, violência e emoção, é normal que esses jovens nunca consigam depois uma vida saudável e equilibrada.» Um dos capítulos mais polémicos e contundentes da obra, intitulado "Os Abutres", afirma: «O jornalista alimenta-se hoje quase exclusivamente de cadáveres de reputações, de detritos de escândalos, de restos mortais das realizações humanas. A imprensa deixou há muito de informar, para apenas seduzir, agredir e manipular.» O texto descreve como os repórteres se desinteressam da realidade fervilhante, para se centrarem apenas no lado polémico e chocante. «Só a parte morta e apodrecida da realidade é que chega aos jornais.» Outros casos referidos criaram uma celeuma que perdura. «O conhecimento das pessoas aumentou, mas é feito de banalidades. Todos sabem que Kennedy foi assassinado, mas não sabem quem foi Kennedy. Todos dizem que a Capela Sistina tem tecto, mas ninguém suspeita para que é que ela serve. Todos acham que Saddam é mau e Mandella é bom, mas nem desconfiam porquê. Todos conhecem que Pitágoras tem um teorema, mas ignoram o que é um cateto. As conclusões do tratado, já clássico, são arrasadoras.

«Não admira que, no meio da prosperidade e abundância, as grandes realizações do espírito humano estejam em decadência. A família é contestada, a tradição esquecida, a religião abandonada, a cultura banalizou-se, o folclore entrou em queda, a arte é fútil, paradoxal ou doentia. Floresce a pornografia, o cabotinismo, a imitação, a sensaboria, o egoísmo. Não se trata de uma decadência, uma «idade das trevas» ou o fim da civilização, como tantos apregoam. É só uma questão de obesidade. O homem moderno está adiposo no raciocínio, gostos e sentimentos.
O mundo não precisa de reformas, desenvolvimento, progressos.
Precisa sobretudo de dieta mental

sexta-feira, junho 17, 2005

Não, não e mais não...

in Diário Digital sobre manifestação dos funcionários públicos

"No documento, os manifestantes dizem «não à redução salarial, não ao aumento dos impostos, não ao congelamento de carreiras, não à implementação do novo sistema de avaliação de desempenho e não à redução das funções sociais do Estado»."

Ocorreu me uma pergunta, será que dizem sim a alguma coisa?

AS

Arrastão...

É evidente a preocupação que o "arrastão" que ocorrreu na praia de Carcavelos provoca na sociedade. O denominado "arrastão" levanta muitas questões e permitiu a criação de movimentos de carácter duvidoso.
  1. Antes de mais quais são as reais dimensões do "arrastão"? Sem qualquer tipo de análise cuidada já o acontecimento era apelidado de arrastão. Segundo a comunicação social registou-se uma única queixa por assalto, foram prestados cuidados de saúde a alguns banhistas e assistimos ás entrevistas de 3 a 4 pessoas, donos dos bares e mais um ou outro adolescente, sempre as mesmas pessoas a testemunhar nos 4 canais, num dia de calor, em que a praia estava repleta de gente. Não ponho em causa a relevância e veracidade do acontecimento, mas os factos levam-se a supor que 500 indíviduos numa praia a movimentarem-se em massa teriam provavelmente criado mais estragos, quer materiais, quer humanos. O acontecimento é preocupante mas deve ser analisado friamente e não lançar o pânico. É preciso reagir, mas saber reagir.
  2. Perante este cenário, a Assembleia da República, essa instituição de "prestígio", com discussões tão interessantes e sobretudo com tardes de "conversa da treta" decidiu lançar-se na discussão do tema. Pelo que entendi dessa acesa discussão, o alvo da crítica não foram os responsáveis pelo acontecimento. A causa/solução do problema não está na distribuição dos meios de segurança policial na região de Lisboa e muito menos na ausência de planeamento urbano e social das grandes cidades o que leva à criação de autênticos guetos. A discussão centrou-se numa troca de acusações mútuas tão típica dos deputados portugueses. Interessante e de registar!
  3. Por fim não podia deixar de referir uma notícia do Público: Governo Civil autoriza manifestação contra "arrastão" de Carcavelos. Passo a citar: A auto-intitulada Marcha contra a Criminalidade terá lugar na Praça Martim Moniz e, apesar de o pedido de autorização não referir a Frente Nacional, dois dos seus dirigentes disseram ao PÚBLICO que, para além de participarem na manifestação, querem igualmente desfilar entre o Martim Moniz e o Rossio. Mário Machado, um desses dirigentes, referiu que os cartazes e palavras de ordem andarão à volta de ideias como "Imigração igual a crime". Talvez fosse bom alguém informar o Sr. Mário Machado que a Cova da Moura, a Buraca entre outras zonas problemáticas da região de Lisboa, locais de origem dos responsáveis pelo "arrastão", são zonas localizadas no interior da Região Metropolitana de Lisboa, bem no interior de Portugal Continental e a não ser que a definição de imigrante tenha mudado, talvez um pouco de geografia lhe fizesse bem. Os criminosos são portugueses!

PS - soube bem voltar a escrever para o blog

AS

Frágil


quinta-feira, junho 16, 2005

Recuerdos...


Com isto dos anos do Cilha e das fotos deu-me para ir ao
baú das recordações relembrar este bons momentos...


quarta-feira, junho 15, 2005

reencontro

Decidi começar a escrever novamente... preciso de falar com voces, de ter aquelas conversas de canto que tanto sinto falta... E que melhor sítio que o nosso "canto"?!

Bem hoje vou dormir que já se faz tarde, mas amanha encontramo-nos no teu canto para conversarmos mais um pouco.

Até amanha..

Cabecilha

É apenas para desejar os parabéns ao grande Cilha e mandar-lhe aquele abraço




Barcelona


Os 3 grandes...

quinta-feira, junho 02, 2005

Certezas...

Apenas temos…
A certeza de que estamos sempre começando…
A certeza de que precisamos de continuar…
A certeza de que seremos interrompidos antes de terminar…

Adaptado de Fernando Pessoa

terça-feira, abril 12, 2005

domingo, abril 10, 2005

Barcelona - uma cidade do Mundo

Descobrir mais um pouco de Barcelona!
Dali, um génio, um artista, ou um lunático? Talvez seja tudo o mesmo!
A personagem...


AS

sábado, abril 09, 2005

Barcelona - uma cidade do Mundo

Após uma grandiosa visita a Barcelona, visitei a Sagrada Família, obra de Gaudí. Há mais de um século em construcção e com toda a certeza um século de construcção pela frente até ser acabada...

"não deve ser desta"

Finalmente um fim de semana em casa! Posso també dizer que finalmente o blog merece um pouco de atenção!
Não vou dizer "é desta", aliás tenho o prazer de anunciar que "nao deve ser desta" que o blog renasce. Vêm aí uns tempinhos com muito trabalho, mas fica qualquer coisa para aqueles que insistem em visitar-nos... se existem?!

AS

domingo, janeiro 23, 2005

Participação Política Directa



Já lá vão os tempos idos da pós-revolução em que nos liceus era leccionada a disciplina de "Introdução à Política", indispensável para um povo que nunca tinha lidado com os mais simples instrumentos democráticos, promovendo a análise crítica das instituições e das doutrinas e procurando estimular a formação e opção política dos jovens. Já lá vai o tempo em que o aumento substancial de candidatos ao ensino superior obrigou a instauração de um Serviço Cívico Estudantil obrigatório como requisito à entrada neste nível de ensino.

Hoje tudo o que é político é tomado como desprezível, dispensável e distante, muitas vezes renegado. Abre-se caminho a uma sociedade individualista onde se espera que os outros é que façam algo por nós e a nós apenas cabe dizer mal deles. Delega-se nos partidos a condução das localidades e do Estado mas desconfiando não encontramos formas alternativas aos seus poderes.

Constituição da República Portuguesa

Artigo 9.º
(Tarefas fundamentais do Estado)
São tarefas fundamentais do Estado: (...)
c) Defender a democracia política, assegurar e incentivar a participação democrática dos cidadãos na resolução dos problemas nacionais


Artigo 48.º
(Participação na vida pública)

1. Todos os cidadãos têm o direito de tomar parte na vida política e na direcção dos assuntos públicos do país, directamente ou por intermédio de representantes livremente eleitos.
2. Todos os cidadãos têm o direito de ser esclarecidos objectivamente sobre actos do Estado e demais entidades públicas e de ser informados pelo Governo e outras autoridades acerca da gestão dos assuntos públicos.


É com esses pretextos que procurarei sistematizar, nos próximos tempos, formas alternativas de participação política directa já existentes, mas desconhecidas da grande massa dos portugueses. A democracia existe para além do domingo de eleições. Porque é que ninguém ensina isso na escola?

sábado, janeiro 15, 2005

Titã

“Pequeno Mundo aquele em que vivemos face à imensidão do Universo”

Mundo feito de pequenos nadas, outras vezes daquilo que achamos ser muito importante… um Mundo nosso, que é nada no meio de tudo isto!
Titan é a última descoberta do Homem! Vale a pena acompanhar o assunto. Recomendo o site da ESA: http://www.esa.int/esaCP/index.html ...desfrutem de imagens, sons, histórias! Em português, acompanhem o blog Abrupto, faz uma boa cobertura.
AS

segunda-feira, janeiro 10, 2005

Medo!!!!

Andava a passear por este Mundo que é a Net e encontrei este texto... desfrutem!

Leiam sem medo!!!

Medo

Era uma palavra... Apenas uma palavra e no entanto os meus lábios selaram anos de inconformismo e dor.
Como se o organismo se recusasse a ser feliz, a fazer as coisas bem...
Sabes que deixar de ser "eu", para ser nós é um processo lento e nem sempre bem sucedido.
A mente é dona de estranhos buracos e armadilhas.
Penso que também sabes isso.
Por isso torna-se inútil dizer-te palavras que conheces e mesmo assim recusas entender.
Dói-me lembrar-te ajoelhado a meus pés a implorar perdão por um pecado que nem sabes que cometes.
Dói-me porque queres apagar as minhas lágrimas com as tuas.
Era apenas uma palavra... uma palavra a negar a estranha necessidade de ser tua sem o ser.
Sabes que quis fugir?
Fugir de ti, fugir do amor que te tenho e me prende as asas...
Fugir de ti e consumir-me nesta infelicidade mórbida.
Ainda assim, agarraste-me com força, as lágrimas a escorrerem-te pela face, a desfazerem-te o coração.
Sabes que sou cobarde? Sim... profundamente cobarde.
Estupidamente cobarde e no entanto amas-me assim. Ou aprendeste a amar-me.
Qual das duas foi, interrogo-me... Mas por muito que o faça nunca vou descobrir.
Porque as tuas mãos se selaram em volta das minhas, os teus braços esmagaram a minha cobardia, o meu medo de amar.
Ser feliz nem sempre é fácil, sabias? Ser feliz às vezes também dói. Porque ter-te a meu lado é toda a minha felicidade, a minha única felicidade e no entanto por vezes parece-me tão distante, tão hercúleo.
Mesmo quando abafas as minhas lágrimas nas tuas.
Já te disse que ficas lindo quando choras? Na infelicidade também existe poesia. Nos teus olhos perfeitos de lágrimas também existe amor. E por isso é belo.
É nas tuas lágrimas que vejo o meu coração. Porque ele está dentro de ti. Numa profundidade que só as lágrimas alcançam.
Sim... é em ti que vivo e no entanto quis fugir de ti, trazendo a morte no regaço. Porquê, perguntas-me tu, e deitas-te em mim, e sufocas-me de beijos e amor.
Porque amar-te é a única coisa que não sei fazer. Porque me surpreendo a cada dia com este amor. Porque ele me ultrapassa e me enche de maresia.
E por isso amor, tenho medo. Medo da grandiosidade. Medo de precisar de ti mais do que precisas de mim. Medo de acordar de um sonho e morrer a recordar os teus lábios...
Medo do medo de amar.
E ainda assim, enlaças-me em ti.
Quero-te, dizes tu. E eu sei, estranhamente, que é verdade. Sei... e assim silencio o medo, apago as lágrimas e adormeço em ti.

Publicado por Fairy_morgaine em junho 21


sexta-feira, janeiro 07, 2005

Sobre a Semana 01


1. Figura da Semana: Pôncio Monteiro
Afinal, mesmo depois do Natal, o circo recusa-se a abandonar o país. Pelo que parece a época das artes circences ainda está longe de terminar, como foi visto pelo já tradicional e fantástico número de perícia do lançamento triangular de facas às laranjas (foram-se as maçãs), entre o Sr. Rio a atirar ao Sr. Monteiro e o Sr. Monteiro a atirar ao Sr. Lopes. Parece que mesmo neste ramo também não sobra lá muita competência, porque o Sr. Lopes está farto de se queixar que só lhe acertam nas costas, ele que já tinha tudo planeado para depois do contrato com o Sr. Seabra completar o elenco dos "Donos da Bola".


2. Facto da Semana: Ajudas para a Ásia
Para além de tudo o que se pode dizer ou mais sentir sobre a tragédia, vezes e vezes comercializada e banalizada nos nossos telejornais, esta semana deixou-se de fazer aquela contabilidade em directo do número de mortos, em que não bastava dizer que ainda era cedo para contabilizar o número total, e só faltou o númerozinho no canto do ecrã a crescer permanentemente; substituindo-se a contabilidade pelo valor total das ajudas humanitárias monetárias para as zonas afectadas. Esclarecedora para os próximos 4 anos foi a primeira ajuda lançada pelos Estados Unidos (caramba, era menos que os 40M do Euro-milhões), que atrapalhadamente foi incrementada para os 200M, 1/4 do que o Partido Repúblicano gastou nas últimas eleições.

Sobre o Aniversário do Conversas de Canto

Pois é o nosso blog fez um aninho e nem os seus participantes se dignaram a soprar um fósforo num queque. Parabéns às "Conversas de canto" pela luta de um ano, atrás da sua sobrevivência. E já agora um excelente 2005 e um obrigado para todos aqueles que ainda perdem o seu tempo a sondar se existe algo de novo!

quinta-feira, janeiro 06, 2005

Será verdade?

"A penalização por não participares na política, é acabares a ser governado pelos teus inferiores"

Platão


terça-feira, janeiro 04, 2005

Feliz 2005

Definitivamente o BLOG parou! Espero que apenas por uns tempos...

De qualquer forma queria desejar um Feliz 2005 a todos.

Abraço

AS