quarta-feira, setembro 28, 2005

22º lugar: bom ou mau?


Portugal ocupa o 22º lugar no Índice Global da Competitividade do Fórum Económico Mundial, tendo subido dois lugares face à posição ocupada no ranking do ano passado, revela o relatório GCR 2005-2006, divulgado esta quarta-feira pelo Fórum Mundial.
A lista deste ano foi alargada para analisar o ambiente económico e institucional de 117 países, contra os 104 analisados no ano anterior. Os três países mais competitivos do Mundo (Finlândia, EUA e Suécia) mantêm a liderança do ranking global.
A posição de Portugal resulta de uma avaliação, segundo a qual, a burocracia e a ineficiência da administração pública aparece como principal factor de bloqueio para a realização de negócios, seguindo-se o carácter restritivo da legislação laboral.
in Diário Digital

quinta-feira, setembro 22, 2005

Prost !


Em jeito de celebração passei um 21 de Setembro na Oktoberfest. Uma(s) das que bebi foi por vocês!

Só vendo é que dá para acreditar! Todas as fotos que poderia tirar jamais mostrariam o que é o Wiesn na realidade... É, de certeza, uma das maiores festas do mundo!
Se passarem por aqui avisem-me, eu pago !

Abraços e até daqui a umas semanas!

terça-feira, setembro 20, 2005

Meados de Setembro


Acho que o gráfico diz tudo...
Abraço

ps. o que vale e que a Oktoberfest já começou...daqui a uns dias trago mais novidades!

quarta-feira, setembro 14, 2005

Mega-Bandeira

Santana Lopes não saiu da Câmara Municipal de Lisboa sem antes oferecer à cidade uma mega-bandeira nacional (a maior do país), que ficará hasteada no alto do Parque Eduardo VII. A ideia até que é boa, nem que seja para instalar algum sentimento nacional nos lisboetas. Instalou-se há algum tempo na sociedade uma ideia deturpada de que "sentimento nacional" rimava com "ditadura fascista", uma autêntica estupidez. Ideia essa que nos fez renegar um pouco esses símbolos, que embora materialmente insignificantes, nos relembram de que fazemos parte de uma associação de portugueses, com objectivos e características comuns. Que nos fazem lembrar que fazemos parte de um todo. Depois da febre passageira do Euro'2004 as bandeiras voltaram para as gavetas ou ficaram mesmo a ser comidas pelo sol esquecidas numa janela qualquer. Ainda não percebo o porquê de só se hastear as bandeiras nas instituições públicas aos domingos e feriados. As bandeiras deviam estar sempre, todos os dias, hasteadas nesses locais, para nos lembrarem que aquele património e aqueles serviços são de e para todos, uma pertença nossa, não de um "ente" distante chamado Estado, em que os seus próprios membros não se revêm nele. Ficam só estes pequenos reparos.

terça-feira, setembro 13, 2005

Praga: ver e chorar por mais ...

Karlov Most (Charles Bridge), 6h...
Um dos mais bonitos nascer do sol que já assisti !

Onde simplesmente deambular sem destino pela cidade era um prazer.

Não percam...
Abraços

ps. Afinal estar no centro da Europa tem as suas vantagens!

domingo, setembro 11, 2005

Portugueses e Portuguesas

Enganem-se aqueles que ainda consideram os partidos como aqueles movimentos românticos de profusão de ideais e utopias estratégicas. O partido há muito deixou de ser isso, se é que alguma vez foi na história. O cerne de um partido político nunca foi composto por essas substâncias imateriais, mas apenas pelas pessoas que o compõem. O centro do partido é a sua clientela. O seu objectivo é servi-la com a força natural inerente a qualquer associação de homens. E assumir esta sua natureza de gestor de interesses pessoais, é meio caminho andado para se ter uma visão mais clara de todo o sistema político, assim como é fundamental para os próprios portugueses terem consciência do seu papel nesse mesmo sistema de que também fazem parte. Assim, as expulsões que têm existido de militantes que fazem parte de listas de independentes concorrentes com as dos seus partidos, não se efectuam por eles terem ficado menos sociais-democratas, socialistas ou comunistas, mas apenas porque atraiçoaram toda uma cadeia de interesses montados dentro desses aparelhos, porque desrespeitaram uma ordem interna e regras da associação a que pertenciam; a valoração dos seus ideais políticos em nada contou para estas decisões.

Podem muitos lamentar esta natureza interesseira dos partidos e dos seus membros. Podem até culpabilizar esta “máfia” do estado a que chegou a democracia. Mas eu não dou razão a nenhum deles. O estado a que chegámos não é culpa dos partidos, muito menos da sua máquina de interesses e posições. É culpa é do cidadão independente que cada dia que passa se desresponsabiliza perante a sua comunidade. É culpa é do cidadão independente que refugiado numa ideia em que só aos partidos cabe o domínio do político se demitiram das suas responsabilidades. E não é só porque deixaram de votar ou porque deixaram de participar nos vários planos que têm ao seu dispor, é porque se bem que exigem aos políticos pouco exigem a eles próprios. A política não é dos partidos, é de todos. Os partidos sabem disso, parece que os outros é que não. Veja-se a questão das presidenciais, que sendo a única eleição em que o acesso está vedado aos partidos, a maioria resignou-se a que fossem esses que lançassem as candidaturas pouco ou nada independentes. Onde ficaram todos aqueles que não são militantes? Demitiram-se e estão felizes com os seus bodes expiatórios.

sexta-feira, setembro 09, 2005

Um crime na Ota

Luís Campos e Cunha foi a primeira vítima a tombar em virtude desses crimes em preparação que se chamam aeroporto da Ota e TGV. Não se pode pedir a alguém que vem do mundo civil, sem nenhum passado político e com um currículo profissional e académico prestigiado que arrisque o seu nome e a sua credibilidade em defesa das políticas financeiras impopulares do Governo e que, depois, fique calado a ver os outros a anunciarem a festa e a deitarem os foguetes.

Não se pode esperar que um ministro das Finanças dê a cara pela subida do IVA e do IRS, pelo aumento contínuo dos combustíveis e pelo congelamento de salários e reformas, que defenda em Bruxelas a seriedade da política de combate ao défice do Estado, e que, a seguir, assista em silêncio ao anúncio de uma desbragada política de despesas públicas à medida dos interesses dos caciques eleitorais do PS, da sua clientela e dos seus financiadores.

O afastamento do ministro das Finanças e a sua substituição por um homem do aparelho socialista é mais do que um momento de descredibilização deste Governo, de qualquer Governo.

É pior e mais fundo: é um momento de descrença, quase definitiva, na simples viabilidade deste país. É o momento em que nos foi dito, para quem ainda alimentasse ilusões, que não há políticas nacionais nem patrióticas, não há respeito do Estado pelos contribuintes e pelos portugueses que querem trabalhar, criar riqueza e viver fora da mama dos dinheiros públicos; há, simplesmente, um conúbio indecoroso entre os dependentes do partido e os dependentes do Estado.

Quando oiço o actual ministro das Obras Públicas - um dos vencedores deste sujo episódio - abrir a boca e anunciar em tom displicente os milhões que se prepara para gastar, como se o dinheiro fosse dele, dá-me vontade de me transformar em "off-shore", de desaparecer no cadastro fiscal que eles querem agora tornar devassado, de mudar de país, de regras e de gente.

Há anos que vimos assistindo, num crescendo de expectativas e de perplexidade, ao anunciar desses projectos megalómanos que são o TGV e o aeroporto da Ota. O mesmo país que, paulatinamente e desprezando os avisos avulsos de quem se informou, foi desmantelando as linhas-férreas e o futuro do transporte ferroviário, os mesmos socialistas que, anos atrás, gastaram 120 milhões de contos no projecto falhado dos comboios pendulares, dão-nos agora como solução mágica um mapa de Portugal rasgado de TGV de norte a sul.

Mas a prova de que ninguém estudou seriamente o assunto, de que ninguém sabe ao certo que necessidades serão respondidas pelo TGV, é o facto de que, a cada Governo, a cada ministro que muda, muda igualmente o mapa, o número de linhas e as explicações fornecidas.

E, enquanto o único percurso que é economicamente incontestável - Lisboa-Porto - continua pendente de uma solução global, propõe-nos que concordemos com a urgência de ligar Aveiro a Salamanca ou Faro a Huelva por TGV (quantos passageiros diários haverá em média para irem de Faro a Huelva - três, cinco, sete mais o maquinista?).

Quanto ao aeroporto da Ota, eufemisticamente baptizado de Novo Aeroporto Internacional de Lisboa, trata-se de um autêntico crime de delapidação de património público, um assalto e um insulto aos pagadores de impostos.
Conforme já foi suficientemente explicado e suficientemente entendido por quem esteja de boa-fé, a Ota é inútil, desnecessário e prejudicial aos utentes do aeroporto de Lisboa.

E, como o embuste já estava a ficar demasiadamente exposto e desmascarado, o Governo Sócrates tratou de o anunciar rapidamente e em definitivo, da forma lapidar explicada pelo ministro das Obras Públicas: está tomada a decisão política, agora vamos realizar os estudos.

Mas tudo aquilo que importa saber já se sabe e resulta de simples senso comum:
- basta olhar para o céu e comparar com outros aeroportos para perceber que a Portela não está saturada, nem se vê quando o venha a estar, tanto mais que o futuro passa não por mais aviões, mas por maiores aviões;
- em complemento à Portela, existe o Montijo e, ao lado dela, existe uma outra pista, já construída, perfeitamente operacional e que é uma extensão natural das pistas da Portela, que é o aeroporto militar de Alverca - para onde podem ser desviadas todas as "low cost", que não querem pagar as taxas da Portela e menos ainda quererão pagar as da Ota;
- porque a Portela não está saturada, aí têm sido gastos rios de dinheiro nos últimos anos e, mesmo agora, anuncia-se, com o maior dos desplantes, que serão investidos mais meio bilião de euros, a título de "assistência a um doente terminal", enquanto a Ota não é feita;
- os "prejuízos ambientais", decorrentes do ruído que, segundo o ministro Mário Lino, afectam a Portela são uma completa demagogia, já que pressupõem não prejuízos actuais, mas sim futuros e resultantes de se permitir a urbanização na zona de protecção do aeroporto;
- a deslocação do aeroporto de Lisboa para cerca de 40 quilómetros de distância retirará à cidade uma vantagem comercial decisiva e acrescentará despesas, consumo de combustíveis, problemas de trânsito na A1 e perda de tempo à esmagadora maioria dos utentes do aeroporto, com o correspondente enriquecimento dos especuladores de terrenos na zona da Ota, empreiteiros de obras públicas e a muito especial confraria dos taxistas do aeroporto.

O negócio do aeroporto é tão obviamente escandaloso que não se percebe que os candidatos à Câmara de Lisboa não façam disso a sua bandeira de combate eleitoral e que, à excepção de Carmona Rodrigues, ainda nem sequer se tenham manifestado contra. Carrilho já se sabe que não pode, sob pena de enfrentar o aparelho socialista e os interesses a ele associados, mas os outros têm obrigação de se manifestarem forte e feio contra esta coisa impensável de uma capital se ver roubada do seu aeroporto para facilitar negócios particulares outorgados pelo Estado.

A Ota e o TGV, que fizeram cair o ministro Campos e Cunha, são um exemplo eloquente daquilo que ele denunciou como os investimentos públicos sem os quais o país fica melhor.

Como o Alqueva, à beira de se transformar, como eu sempre previ, num lago para regadio de campos de golfe e urbanizações turísticas, ou os pendulares do ex-ministro João Cravinho, ou os estádios do Euro, esse "desígnio nacional", como lhe chamou Jorge Sampaio, e tão entusiasticamente defendido pelo então ministro José Sócrates. Os piedosos ou os muito bem intencionados dirão que é lamentável que não se aprenda com os erros do passado. Eu, por mim, confesso que já não consigo acreditar nas boas intenções e nos erros de boa-fé. Foi dito, escrito e gritado, que, dos dez estádios do Euro, não mais de três ou quatro teriam ocupação ou justificação futura.

Não quiseram ouvir, chamaram-nos "velhos do Restelo" em luta contra o "progresso". Agora, os mesmos que levaram avante tal "desígnio nacional", olham para os estádios de Braga, Bessa, Aveiro, Coimbra, Leiria e Faro, transformados em desertos de betão e num encargo camarário insustentável, e propõem-nos um TGV de Faro para Huelva e um inútil aeroporto para servir pior os seus utilizadores, e querem que acreditemos que é tudo a bem da nação?

Não, já não dá para acreditar. O pior que vocês imaginam é mesmo aquilo que vêem. Este país não tem saída. Tudo se faz e se repete impunemente, com cada um a tratar de si e dos seus interesses, a defender o seu lobby ou a sua corporação, o seu direito a 60 dias de férias, a reformar-se aos 50 anos ou a sacar do Estado consultorias de milhares de contos ou empreitadas de milhões. E os idiotas que paguem cada vez mais impostos para sustentar tudo
isto.

Chega, é demais!!!


Miguel Sousa Tavares

domingo, setembro 04, 2005

O fogo é a mensagem

As televisões passam e repassam as imagens dos fogos até à exaustão. Se o público dá sinais de cansaço, procuram aumentar a intensidade do drama até à próxima desgraça. Depois do caso Casa Pia, o suposto arrastão, enquanto não vem o terrível fascínio das chamas de Verão. É como alguém que para se fazer ouvir grita cada vez mais alto, até que o ruído torna tudo inaudível.

Tem sido objecto de discussão se devem existir limites à hiperabundância de imagens sobre o fogo nas televisões. Do ponto de vista normativo, a ideia de limites é sempre importante quando se trata do poder. Do ponto de vista conceptual, pode ser afirmado que as televisões exercem um poder, um poder fundado no facto de serem "meios de percepção" da realidade. Como meios de percepção da realidade, devem nortear-se por critérios de responsabilidade. No entanto, a tentação de condicionar estes meios de percepção do real é sempre grande, seja para fins políticos, através da propaganda, seja para fins económicos e comerciais.

Sendo grande a responsabilidade dos meios de percepção da realidade, os critérios que as televisões seguem pouco têm a ver com a responsabilidade. Em primeiro lugar, têm a ver com a sua demasiada dependência das técnicas, em particular das técnicas de captação e manipulação das imagens. A televisão é o universo das imagens técnicas, da tecnoimagem, caracterizando-se por manter uma corrente inflacionária de imagens, como se elas fossem a realidade a correr à nossa frente. As televisões vivem da opulência imagética e as tecnologias garantem essa abundância. Mas o público não precisa de tantas imagens, estas é que precisam de público. Nós somos espectadores das imagens que os aparelhos sofisticados nos fornecem. E por detrás desses dispositivos já não estão apenas os homens, mas a programação dos aparelhos. As imagens que as tecnologias nos fornecem são autónomas das nossas necessidades e até, em parte, do nosso controlo. Em grande medida, já nem é possível apagar as imagens. Elas estão nos autocarros, metros, aviões, aeroportos, ruas, locais públicos, por toda a parte.

A televisão serve a televisão, não serve o bem público.Por isso, as televisões passam e repassam as imagens dos fogos até à exaustão. Se o público dá sinais de cansaço, procuram aumentar a intensidade do drama até à próxima desgraça. Depois do caso Casa Pia, o suposto arrastão, enquanto não vem o terrível fascínio das chamas de Verão. É como alguém que para se fazer ouvir grita cada vez mais alto, até que o ruído torna tudo inaudível. É difícil às televisões escaparem a este destino. Estes meios de percepção da realidade condicionam o público, embora este condicionalismo não seja idêntico para todas as pessoas. Há um poder de sugestão que é sempre posto em marcha pelas televisões. Desde finais do século XIX que a imprensa é analisada no âmbito das novas formas de sugestão.

O fenómeno da sugestão é fulcral nos processos da psicologia colectiva. A televisão deixa a sua marca de sugestão no público. Qualquer público pode ser trabalhado por impulsos estranhos, actos excessivos, reacções psíquicas misteriosas.As tecnoimagens não reflectem a realidade, refractam a realidade, quando não a tornam opaca. Desde logo porque nenhuma imagem é a realidade, e depois porque estas podem ocultar as questões principais. Porque é que cada ano há mais fogos? Como é que chegámos a uma situação em que o Estado não consegue impedir que o país arda desta forma? Será hoje Portugal uma comunidade coesa, temos nós algum projecto nacional, capaz de preservar o património biológico, ambiental, histórico, temos nós algum projecto que seja algo mais do que sermos tão consumidores como os cidadãos dos países mais ricos? Em segundo lugar, os critérios das televisões estão subjugados ao mercado, via publicidade. As televisões são não só um negócio, como um poderoso instrumento do mundo comercial e da expansão desse mundo. Quando emitem ao longo da noite e ao fim-de-semana, não o esqueçamos, estão a espalhar o mundo comercial a qualquer hora e dia; o mundo comercial está a penetrar nas nossas casas e na nossa consciência.

O mundo comercial, através das televisões, não nos dá descanso. As televisões estão, portanto, entre os dois ídolos do nosso tempo: a tecnologia e o mercado. Quem ousa questionar o desenvolvimento da tecnologia? Quem tem dúvidas se tal ou tal tecnologias têm consequências nocivas para a comunicação? Se têm consequências nocivas para o ambiente ou para a nossa noção de dignidade humana? A nossa vida é alterada pela tecnologia, o jornalismo é alterado pela tecnologia, e a nós só nos cabe celebrá-la, adaptarmo-nos a ela. A tecnologia aparece como se fosse neutral, dizem-nos que depende de ser bem ou mal usada. Ora, esta é uma noção errada. Até porque hoje a tecnologia e o mercado são interdependentes. Avançam só as tecnologias valorizadas pelo potencial de mercado, com base em expectativas com fundamento ou sem fundamento; ao mesmo tempo o mercado necessita de novas tecnologias para implementar o consumo.

O mercado, hoje, é global e encontra-se desregulado, segundo a doutrina de que a economia de mercado se basta a si própria. Tecnologia e mercado não estão ao serviço das necessidades humanas, as nossas necessidades são ditadas ou muito condicionadas pela tecnologia e pelo mercado. A dificuldade está em limitar poderes que têm estado fora do controlo, fora de um quadro de regulação ético efectivo. O panorama dos media é o de uma informação transformada profundamente pela revolução tecnológica e comercial.

A comunicação social arrisca-se a sair fora da esfera da cultura e do próprio âmbito comunicativo, ao desvincular-se de qualquer valor ético e politicamente relevante. Não é fundamental a concertação entre os três canais. É bom que a RTP avance com esta proposta, mas o essencial é começar a dar o exemplo de contenção, evidentemente com maior imperativo moral no domínio do serviço público. Caso contrário, passa a imperar o esquema imoral de que só seremos éticos se os outros forem. Todavia, é evidente que um acordo entre todos os canais nesta matéria seria uma óptima iniciativa. Tanto mais que os grandes problemas do país, como é o caso, só se enfrentam com posições que pressupõem um projecto de coesão nacional, de desígnio nacional.

José Luís Garcia - Investigador no Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Lisboa

in Público 03/09/2005