domingo, julho 30, 2006

Erasmus em Despedida



Fotos de uma das festas!

Já só falta um mês!


Já só falta um mês! Não foram poucas as vezes em Londres que pensei sobre o estar em ERASMUS, se vale a pena, porque os que experimentam adoram e outros têm receio de o experimentar…ERASMUS tem sido uma experiência excepcional, pela independência no trabalho na School, pela liberdade que nos dão no laboratório, com a exigência de termos de apresentar resultados. As condições de trabalho são boas, o nível de responsabilidade que nos dão sabe bem! Existe ainda Londres, uma cidade de contrastes, onde tudo é permitido, onde durante muito tempo permanece a sensação de tudo ser novo, onde há sempre algo a descobrir. Tem hábitos de vida completamente diferentes dos nossos, horários estranhos aos olhos de um português, rotinas que se impõe sem darmos conta. Depois o ERASMUS dos Erasmus! Um grupo de pessoas, que na SOP mistura-se com os PhD. Todos procuram o mesmo, uma experiência diferente, com novas pessoas de todo o Mundo, sempre marcado por um constante conhecer, partilhar e despedir. Essa é talvez a pior parte, as despedidas que se arrastam durante todo o ERASMUS, mas acabam também por ser as festas onde se recebem os novos, onde todos se conhecem! Há sempre alguém a partir, alguém a chegar…

quinta-feira, julho 27, 2006

Obrigado pela visita!


Há duas semanas tive a visita dos meus pais e da minha irmã! Soube bem rever a família. Agora espero que os amigos comecem a aparecer!

quarta-feira, julho 19, 2006

Lebanon: A cry for help

Recebi um e-mail de uma amiga, a Tana da Nova Zelandia (para quem a conhece esta em Londres a tirar o Phd), com este conteudo. Ela conhece quem escreveu o e-mail e realmente parece que de repente o que se passa no Libano ficou mais proximo. De qualquer forma nao consigo acompanhar devidamente tudo o que se passa, leio os jornais na internet, mas sem televisao fica dificil criar uma opniao ou tentar compreender o que se passa, se e possivel compreender.

Aqui fica o e-mail!


On behalf of a Lebanese Citizen:

Dear friends,

I am writing to you as a helpless human being praying in a country slowly being erased from the surface of life for my salvation, that of my fellow Lebanese brothers and that of my country.

A brief summary from the perspective of a citizen: half of Lebanon is isolated with more than 40 main bridges destroyed, my family in the south has no food to eat, no meat, no bread and the vegetables are very highly priced because of the danger to bring them in, missiles are fired every day and night on many villages in the south. Beirut is harshly being bombarded, a lot of bridges were pulverized even in the capital, the airport is devastatingly damaged as well as all the roads linking Lebanon to the neighbouring country Syria. Today all the sea ports were bombarded and we are imprisoned while many Lebanese are compelled to stay outside Lebanon and many non-Lebanese from all nationalities are compelled to remain in. No food, gas, fuel, or post can reach us. Villages all over the Bekaa and the north are also bombarded and this all has happened in only 3 days!!!

The situation is escalating around the clock! We are now under the threat of chemical intoxication since many fuel storage tanks all over the coastline are being targeted. There is much worst! Kafarshooba and Hetta, two villages in the south are being shelled with prohibited chemical weapons and toxic substances. Villagers who are seeking refuge in occasional shelters, completely isolated with no minimum fundamental supplies, are asked now to inhale through wet textiles, sniff onions and to grind charcoal then put it in wet tissues to protect themselves from intoxication!

Hundreds of civilians were cold-bloodedly targeted and killed on purpose in such a way never seen or imagined before! The most appalling and shocking massacre was when a bus carrying about 25 villagers from Marwaheen was hit by a rocket. They were fleeing their village following an Israeli threat and the UNIFL refused to shelter them! No one of them remained alive! The region of Dahieh (Beirut southern suburb) was completely devastated like Hiroshima… Its inhabitants, or those who are still alive, are fleeing to other regions where public and private schools establishments opened their door to give them refuge…

In light of the foregoing, I feel that words are useless or have lost their meaning….

I am not sure what I am asking for exactly...I don't know if you are aware that the UN meeting on Thursday did not lead to a decision to a cease-fire, which I perceive as contradictory with the very definition of the UN.

All I want is my rights as a human being. What I am asking for is that no matter what the problem is, it should be solved outside the scope of a war.

Is there anything our community of young people can do? Would the governments of the world listen to the voices of the next generation? I really don't know what I am asking for, but I know I am asking for help.

Thank you for reading this, it would already mean a lot to me.


LeMSIC, with the help of some IFMSA Officials (thank you Layal, Claire and Vlad), has prepared a petition, to be sent to the UN, UN Security Council, EU, and other NGOs, institutions and councils working in the field of Human Rights and Peace.

To access and sign the petition, please click on http://www.petitiononline.com/Jul06Leb/petition.html

Let's make a stand for humanity, let's make a stand against war, let's make a stand against crimes..
Please forward to all your members, friends, and families..

God Bless Lebanon
L.

Lara M.N. El-Zahabi, MD President - LeMSICLebanese Medical Students' International Committee Vice-President - IFMSA
International Federation of Medical Students' Associations

Portugal 'tem de perder a vergonha' de ser genuíno


Tradição, hospitalidade, diversidade ambiental e pequena dimensão geográfica são algumas das vantagens competitivas de que Portugal dispõe na área turística e que tem de aprender a explorar devidamente. Quem o diz é Edson Athayde, especialista em marketing e publicidade, que considera que o País precisa de criar uma imagem consistente no mundo e, sobretudo, de dizer ao turista aquilo que ele quer ouvir. Coube a Edson Athayde fazer uma análise das campanhas promocionais do turismo português na 3.ª Conferência Internacional em Hotelaria e Turismo, subordinada ao tema "Promoção e Branding dos Destinos Turísticos". Considerando que "a imagem de um país já tem de existir antes de ser criada", este responsável defendeu que Portugal precisa de aprender a comunicar "o que tem de diferenciador e que atrai os turistas", deixando de ter vergonha de se assumir como "um país pequeno, hospitaleiro, com boas praias e que preserva as tradições". A questão, sublinha Edson Athayde, é que ainda está "meio confuso" o que Portugal quer transmitir com as suas campanhas de turismo. "Se o turista gosta de viajar, ficar numa praia agradável onde vê uns pescadores pela manhã e está disposto a gastar alguns milhares de dólares para o fazer, porque não? Não é isso que vai transformar Portugal num país de pescadores", defende. E acrescenta: "É verdade que incomoda as classes mais cultas, que têm dificuldades em conviver com essas caricaturas, mas é isso que vende um destino turístico. As pessoas que viajam para a Jamaica não querem saber se o país cresceu ou não economicamente. Vão atrás de praia, e é um dos destinos que mais crescem no mundo."Para Edson, o turismo é, em si, um tema suficientemente abrangente para ser tratado em exclusivo. "O país enquanto atractivo de investimento, pólo industrial, símbolo de modernidade, tecnologia, etc., é uma questão que um dia será realidade, mas, até lá, o turismo não precisa de ficar à espera", defende. A Espanha, adianta, resolveu muito bem essa questão, na década de 90, construindo a marca da paixão. "E não se preocupou em potenciar um preconceito, um estereótipo, que o resto do planeta tinha em relação à sua história, cultura e presença, tal como a Grécia não se incomoda em se publicitar enquanto destino de ilhas muito interessantes e divertidas, com casinhas brancas e telhados azuis", acrescenta. Portugal deveria recorrer ao clima, hospitalidade, diversidade ambiental e mesmo dimensão geográfica, que permite conhecer muitas coisas em pouco tempo, diz. "Mas isso é tudo o que tem vergonha de dizer. Que é pequeno, que é bom para ir à praia... E por isso diz de forma envergonhada ou por meias palavras, e não tira o devido proveito". Porque, "enquanto fica a meio caminho tentando inventar alguma coisa, ou se reinventar, o tempo vai passando e outros países e destinos vão encontrando a sua lógica".
in Diario de Noticias
PS - numa altura em que muitas vezes sou confrontado com a opiniao dos estrangeiros sobre Portugal, concordo que cada vez mais e necessario projectar Portugal. Estas pequenas coisas que muitas vezes sao vistas como pontos negativos, como causa de vergonha para alguns, sao na verdade a razao pq os estrangeiros gostam de Portugal, a razao pq nos visitam e admiram. Ja para nao falar que sao a razao porque os Portugueses no estrangeiro nunca se esquecem de casa! Ainda esta semana uma grega e uma espanhola (que viveram em Portugal em ERASMUS e trabalho) diziam-me que nos respeitamos a tradicao e um dos exemplos foi comico: "todos os paises tem nas esquinas hamburgueres a venda, voces continuam com as bifanas!" Tirando esta frase de pormenor, foi engracado tambem ver Portugal descrito como um pais tolerante, que consegue representar diferentes culturas sem entrar em choque. Por curiosidade a grega quer voltar a Portugal para viver, quando acabar o Mestrado. Para a Espanhola e indiferente Portugal ou Espanha, sente se em casa e bem tratada em ambos.
Esta sem pontuacao pq estou num PC ingles!

quinta-feira, julho 13, 2006

Rise: London United

Numa cidade que representa o Mundo, é claramente importante o cultivo da multiculturalidade e da tolerância entre povos, no seio da própria cidade. No fim-de-semana passado fui a um festival num dos parques da cidade. Um ambiente diferente, diverso, com todo o tipo de gente, a incentivar ao convívio. Parece que é um festival que já se tornou hábito "Rise: London United"!Só pecou pelas mensagens políticas que alguns artistas levaram ao palco, completamente descontextualizadas da razão do festival!
A companhia...
... com música de fundo!

Um português em Londres de estômago vazio a sonhar...


Dentro de uma hora vou jantar! Aqui na residencial os jantares são servidos entre as 17h30 e as 19h30, mais ou menos quando comem as galinhas em Portugal. Hábitos ingleses que passados uns dias ficam a ser hábitos dos residentes do International Hall. De qualquer forma, fazendo tradição ao facto de ser do sul da Europa, do cantinho chamado Portugal, faço questão de ir o mais perto possível das 19h30, sempre tendo em conta que não quero ficar com os restos… Perguntam vocês, mas onde quer chegar ele com esta conversa? Bem, só quero partilhar com vocês, algo que já todos sabem, mas faz bem lembrar! A cozinha portuguesa é excelente e até o nosso “estar à mesa” faz-me saudades.
Passando então ás ementas, todos os dias há chicken, aposto que daqui a pouco desço e lá está a chicken. Umas vezes com arroz, outras com massa, às vezes frita e recheada de óleo, outras vezes, quando se lembram, dão com arroz (não estou senil, estejam descansados, repeti duas vezes). Depois, também aposto, o segundo prato é assim um prato vegetariano, que sabe tudo ao mesmo. E agora está tudo a pensar – ok, é o 3º que varia - o 3º poderá ser então a surpresa do dia, mas é a surpresa que raramente toco. Digamos que peixe seco com óleo, ou spaghetti à bolonhesa, em que a carne parece sopa, o famoso fish and chips, ou raramente um belo naco de carne são o 3º prato. A questão, é que o 3º raramente é comestível com os olhos, quanto mais com a boca! Garanto que o pormenor do peixe seco com óleo é divinal, uma francesa no outro dia não conhecia a fama e quando provou, nem imaginam, não tocou mais no prato. A conclusão poderia ser: não sabem cozinhar! Mas realmente não é verdade, o pessoal que vem de outras residências passar o Verão no IH, diz que a comida é melhor aqui. E até acredito, a questão é a ementa, a questão é que realmente o meu estômago não se esquece de Portugal…
Enfim, ontem quando comi procurei imaginar que estava a comer robalo grelhado, batata e couves, assim uma coisa simples. Esqueci-me de um pormenor – com uma pitada de azeite. Não deu resultado! À noite quando fui ver o jogo do SLB a um restaurante tuga, tasca, os portugueses que iam comigo (já batidos nestas andanças e conscientes que uma vez num sítio destes simplesmente não se consegue deixar de comer), pediram o seu bitoque. Quando vi aquele prato tão simples, tão rotineiro em Portugal, com aquele aspecto, não resisti, ainda tentei pedir Polvo à Lagareiro, face à infelicidade do não, tive de pedir o belo do bitoque. Jantei duas vezes, mas simplesmente não podia perder a oportunidade de efectivamente “comer” em Londres. Digamos que o primeiro foi apenas a entrada!
Bem, mas não faço só críticas, gosto dos almoços! Uma sandes daquelas bem compostas, com um sumo de laranja, com fruta, comido num jardim inglês, seguido de uma conversa, sabe muito bem a meio do dia!
De qualquer forma, daqui a uma hora vou jantar e não me sai da cabeça peixe grelhado, polvo, couves, broa, migas…
Bem, chega de lamúrias, se não me despacho chego lá abaixo e é só restos!
Mãe fica a ementa para quando chegar, pode ser? Um belo de um bacalhau grelhado desfiado, com migas à norte, batata à murro, assim uns grelos salteados, um bom vinho tinto, talvez a última garrafa de Herdade Grande que anda no Juncal. Já agora uma salada daquelas de verão, com tomate, salada, pepino, pimento grelhado, com oregões, vinagre e azeite! Para sobremesa, assim bolo de maça e pêra bêbada! Esqueci-me das entradas, sei que não tem nada a ver com o prato principal, mas talvez morcela! Já agora a vossa companhia!Vou ficar a sonhar até lá!

terça-feira, julho 11, 2006

Londres à noite - Cores e Luz

Num final de dia, princípio de noite a fazer lembrar Portugal, deixo duas fotos de Londres à noite!

Uma cidade que veste cores magníficas à noite... fazendo questão de olhar-se ao espelho todos os dias no Tamisa!

segunda-feira, julho 10, 2006

Forza Azzurri!

Fui ver o jogo a casa de italianos! A festa foi brutal! Londres virou italiana e posso-vos garantir que eles sabem festejar!
A emoção...


...a festa...

...Londres Italiana...

...a Ibérica (portugueses e espanhóis) a apoiar a Itália!

domingo, julho 09, 2006

Erasmus em Despedida

O blog anda uns dias atrasado face à minha realidade diária! Mas não posso deixar passar ao lado a partida para Portugal da Inês e da Ana, as Londrinas que me deram a conhecer a School, a cidade e os ERASMUS!
A despedida foi no final de Junho! Provavelmente não devem ter dito a ninguém aí em Portugal, mas garanto-vos que a última coisa que elas queriam fazer era voltar! A festa foi em casa da Mariangela! Passo a enumerar a rapaziada aqui na foto: Ana, Leonor, Lea, Mariangela, Salvatore, eu (em baixo); Mafalda, Diana, Sammo, Inês (em cima). Um mistura de português, italiano, holandês e esloveno!


Curiosidade Londrina: Na foto em baixo, o belo do vinho português, engarrado especialmente para a Sainsbury's (tipo Modelo cá do sítio). As portuguesas deram cabo da garrafa!


quarta-feira, julho 05, 2006

Uma viagem para repetir!

Nem todos vão entender esta mensagem, mas é esse o objectivo! Lembram-se uma viagem pela costa alentejana... eram bem mais!

Para finalizar, por hoje, deixo uma imagem da praia! Diferente, mas excelente!

Eastbourne - No meio do nada...

Ao longo destas falésias encontram-se vários bancos tipicamente ingleses! Uma forma útil e original de homenagear pessoas falecidas, ou simplesmente de marcar um local que é especial. Exemplos: por ali ter feito boas pescarias; porque era naquele local que um casal inglês desfrutava a paisagem; porque simplesmente querem lembrar alguém da terra!

Breves - Eastbourne


A Paisagem deslumbrante! Mar, campo, gado, casas...


Breves - Fim de semana 24, 25 de Junho

A disponibilidade que tenho para escrever para o blog tem sido inferior ao que desejava inicialmente, por isso um dos melhores fins de semana que tive no Reino Unido ainda não teve o seu “canto” no blog! Para já deixo algumas fotos da visita a Eastbourne, ao campo inglês! Depois de passear no meio de pastagens e falésias sempre com o Atlântico como fundo, matei saudades do mar com um belo mergulho numa praia inglesa! Aqui ficam algumas fotos de um fim de semana excelente, em paisagens que só tinha imaginado, nunca vivido!
Para já a companhia da viagem! Mesmo no Centro de Eastbourne, no Pier Victoriano!

segunda-feira, julho 03, 2006

World Cup em Londres



Londres está invadida pelo World Cup! Numa cidade que representa o mundo, as cores são muitas, mas é óbvio que o branco e vermelho está em maioria...
Poderão pensar que é uma perda de tempo estar a escrever sobre este tema, mas digamos que o blog também serve para “gritar”, sobretudo quando quando a paciência começa a esgotar.
O futebol português, apesar da final do Euro 2004, apesar do que tem feito nos últimos anos nos vários europeus, da Liga dos Campeões e da Taça UEFA do Porto, da final do Sporting, da boa campanha do SLB na última época, continua a não ser reconhecido, talvez por a palavra Portugal estar à frente. Com esta realidade convivo bem. Cada um acredita no que quer e para que o mundo nos veja de outra forma, no futebol, na ciência, no mundo empresarial é necessário que os portugueses comecem por acreditar em si próprio.
O que me faz escrever este post, o que irrita, satura, é arrogância à solta, é como que um desprezo… Primeiro os ingleses! De início nao acreditavam que Portugal passava aos oitavos de final, segundo os jornais ingleses, a Inglaterra ou jogaria com a Holanda ou com a Argentina. Como é óbvio na altura sorri, esperei uns dias e voltei a sorrir. Quando ficou definido que íamos jogar com eles, mais uma vez era ponto assente que iam ganhar! Voltei a sorrir! Após a vitória, não andei com a bandeira na rua sem ser em comunidades portuguesas para não ter problemas, apenas com um sorriso estampado no rosto por Londres! Procurei não provocar porque sei o quanto é importante o futebol para eles. Mesmo assim não me livrei das bocas. Estava a ler gordas dos jornais ingleses e uma família inglesa pára ao meu lado e começa a ler. Segundos depois, ouvia insultos, que não vou transcrever para o blog, dirigidos aos jogadores portugueses e no fim aos portugueses. Calmamente, viro a cabeça, admirado e não imaginando eles que era português, pedem-me desculpa pelas asneiras. Respondi com um sorridente: “I’m portuguese!”. Mais vermelhos não conseguiram ficar!
Hoje na School, estava no laboratório e entra um inglês, em vez de um polite congratulations, após conversa de ocasião recebo um: perdemos com uma cheating team, referia-se ao Ronaldo. Tive de responder que realmente o Ronaldo era um aldrabão, mas que sem dúvida que o Rooney era um English Gentleman! A conversa acabou por ali! A realidade é que por todo o lado, nas conversas de rua, nos Pubs, sente-se a frustração inglesa por terem perdido com “os portugueses”!
Bem, passando às meias-finais! No hall costumo ter as refeições com franceses e também alemães! Os franceses informaram-me ontem que já compraram os bilhetes para irem ver a final a Paris! Estão convencidíssimos que a França vai ganhar. O irónico é que há duas semanas, na fase de grupos, era eu que os tentava convencer que tinham uma boa equipa. Já se esqueceram! Parecem parecidos connosco, no futebol também passam de bestas a bestiais num segundo. Hoje vieram dizer-me que estiverem a ver as estatísticas e Portugal nunca ganhou a França... De seguida entra um alemão, com uma vontade de eliminar-me: “Por favor, vocês nunca ganharam um World Cup, acham mesmo que ganham! Bem, mas até gostava que ganhassem, assim jogavam connosco, era mais fácil!”. Como vêm esta gente consegue ser simpática ao jantar! As minhas respostas andam tão tortas que arrisco-me a passar por antipático. Eles acham incrível como acredito que podemos ganhar. Mas o que eu acho ainda mais incrível é que eu afirmo isso, com um calculado: “A França tem boa equipa, mas nas meias-finais tudo é possível e acredito que seja possível!”. E eles esperam ouvir de mim: “estou borrado de medo!” (desculpem a expressão, mas é a que descreve a cara de espanto deles)… Enfim!

Mas como é óbvio Portugal tem os seus apoios! Os holandeses mesmo depois de uma batalha em campo, souberam estar, felicitar-nos, e apoiam Portugal. Os Espanhóis esperam de Portugal uma vingança ibérica! Os italianos vibraram com a vitória de Portugal perante os ingleses, gostam de nós e fazem votos para nos encontrar na final. Eu também! Pelos ERASMUS seria uma final entre amigos!

Isto é um resumo das situações com que tenho deparado! Existem outras para contar numa “conversa de canto” num café em Lisboa.
Para já, só fica a vontade de voltar a sorrir, enrolado na bandeira de Portugal!

domingo, julho 02, 2006

O charme britânico

Incidentes em Inglaterra atingem adeptos portugueses

Os portugueses que vivem em Inglaterra foram vítimas de alguns ataques xenófobos depois de ter terminado a partida entre as duas selecções, que Portugal venceu nos penalties. Os incidentes registaram-se em vários pontos distintos do país.
O caso mais grave aconteceu em Warwickshire, onde os adeptos ingleses arremessaram garrafas contra o restaurante A casa portuguesa, em Catle Steeet, partindo as janelas do estabelecimento.
O inspector da polícia, Rob Calvert, garantiu que os acontecimentos vão ser investigados: «Não toleramos qualquer ataque racial contra membros da nossa comunidade. Cada incidente vai ser investigado a fundo.» As autoridades prenderam 18 pessoas envolvidas.
O centro de Wolverhampton esteve fechado durante cerca de uma hora, devido aos confrontos entre uma centena de adeptos, que começaram assim que o árbitro terminou a partida. 25 pessoas foram detidas pela polícia.
Phil Wright, da polícia de West Midlands, garantiu que os acontecimentos estavam controlados: «Foi o resultado da frustração e do desapontamento, misturado com o álcool e o calor. A multidão dispersou ao fim de pouco tempo. Os incidentes foram mais dispersos que o normal, em áreas que não costumam acontecer coisas do género. Mas foram situações simples de desordem.»
Em Stratford, Staffordshire e Leamington também se registaram alguns ataques contra emigrantes portugueses, mas não aconteceram situações graves.

in www.maisfutebol.iol.pt

PS - espero vir a fazer um post sobre este tema, "The english style", o charme britânico o que quiserem chamar! Ainda existe, mas não acredito que por muito tempo... para os mais pessimistas já o ouvi descrever como sendo "podes fazer tudo, ninguém pode é saber"!

sábado, julho 01, 2006