segunda-feira, dezembro 18, 2006

2007

2007 - Ano Europeu para a Igualdade de Oportunidades para Todos



Já teorizam que o mundo económico tornou-se plano, basta ler o Mundo é Plano de T. L. Friedman - já agora uma boa prenda de Natal. Na tentativa de um Mundo plano para os povos, 2007 é o "Ano Europeu para a Igualdade de Oportunidades para todos".

domingo, dezembro 17, 2006

Momento "Pessoa"

De tudo na vida,
ficaram três coisas:

A certeza de que estamos sempre começando...
A certeza de que precisamos continuar...
A certeza de que seremos interrompidos antes de terminar...

Portanto, devemos:
Fazer da interrupção um caminho novo...
Da queda um passo de dança...
Do medo, uma escada...
Do sonho, uma ponte...

Fernando Pessoa

sábado, dezembro 16, 2006

Os fait-divers que interessam


Quarta-feira. O país mergulhado em fait-divers natalícios, atento a vinganças passionais, best-sellers literários e à morte de ditadores no mundo, recebe mais uma notícia (estudo) a bradar o agravamento da saúde do planeta e o fim previsível do nosso estilo de vida. A meio do jantar, o degelo acelerado do Árctico, a extinção de espécies como o urso polar e o desaparecimento do pólo norte enquanto ponto no gelo num prazo alucinante de 30 anos (2040), pouco releva face à importância da corrupção inata dos homens, dos sorteios da UEFA ou da remodelação do Estado. O que interessa se, longe, a Gronelândia ou a Antártida se rachem ao meio, e nos levem para uma situação onde praticamente é impossível recuperar o equilíbrio do clima no planeta?
Quinta-feira. Procuramos acompanhar a história que nos interessa. O dirigente desportivo afinal não se demite e os impostos talvez diminuam, quando o gelo se tiver derretido substancialmente. No fim do jornal, sabe-se que da Conferência Internacional sobre a Mudança Climática, reunida em Bremen, se conclui que, entre 2004 e 2005, a superfície de gelo da região diminuiu 14%, 730.000 quilómetros quadrados, mais do que o dobro do território da Alemanha. (notícia)
Sexta-feira. O transgénero de Sebastião surge na pessoa de Maria José Morgado, que salvará o futebol da maldade dos homens. A revista Science, prossegue com o debate ensurdecedor da semana e monopolizador de conversas de café e autocarro, publicando nesse dia mais um estudo, onde grita que o aquecimento climático poderá provocar uma subida do nível do mar mais rápida do que o previsto durante este século, podendo atingir 1,40 metros até 2100, ou seja, o dobro da estimativa estabelecida até agora. Não só se aumentarão os riscos de inundações de regiões baixas e a ameaça de tempestades violentas (notícia - estudo).
Sábado. Paul Crutzen, prémio Nobel da Química, volta com a ideia controversa de lançar na atmosfera enxofre, o mesmo poluidor responsável pelas chuvas ácidas e pela contaminação de flora e fauna, como o propósito de travar o efeito de estufa através do seu poder reflector das radiações solares. Há décadas que o mundo luta contra a poluição causada por essa substância, sendo que esse lançamento industrial, para muitos, resultaria no aumento de inundações, desertificação, ondas de calor e o aumento do nível das águas do mar. Se não fosse da doença sofríamos com a cura (notícia).
Agora, o país continua mergulhado nas histórias e notícias que lhe interessa, preocupado na preparação de uma ceia de natal com espécies de existência já a prazo e consumindo o q.b. para manter um estilo de vida, enquanto não migramos para as regiões secas. Acompanha esta novela?

domingo, dezembro 10, 2006

The Gift - um "presente" fácil de entender


The Gift, 12 breves anos de história, de um grupo que continua a surpreender!
O espectáculo "Fácil de entender", que os Gift fecham hoje no CCB (depois de um concerto magnífico ontem na mesma sala) merece ser visto. Findo o espectáculo, a vontade que ficou foi de voltar hoje, para repetir a partilha de sensações... No fundo apetecia ter sempre um sítio assim por perto, para de vez em quando ir relembrar aqueles "sons"!
Um espectáculo com duas partes! Primeiro, numa atmosfera de intimidade, tranquilidade, onde impera um ritmo calmo, os GIFT apresentam os seus convidados, invadem-nos com os seus jogos de som, põem o auditório a cantar "Fácil de entender". Durante toda a primeira parte o lugar da plateia foi sentado, a desfrutar de uma sonoridade, com uma identidade própria.
O intervalo chegou, anormal num concerto deste género, mas claramente justificado, mudança de palco, mudança de ambiente, mudança de ritmo, claramente a mesma partilha! Uma plateia sentada e um ambiente calmo é invadida por uma onda de Dança, conforme ordenavam os ecrãs, num constante "Dança/Dance"! A energia calma que pairava de início, transforma-se num turbilhão de sentimentos, de ideias em agitação, mas uma agitação ordenada...

Os The Gift sabem estar em palco, sabem cativar o público, sabem posicionar-se como quem quer partilhar, não apenas dar. Pedem e dão, num vaivém com o público e sobretudo sabem comunicar, tornam uma música claramente trabalhada, em muito fácil de entender para todos. Um grupo que deixa bem claro para quem os vê, que podíamos ser nós, o público, a estar no palco e eles, Gift, a estar na audiência! Quanto à Sónia Tavares, um furacão em palco, com os seus ventos calmos ou ventos arrasadores, construindo sempre uma empatia como poucos artistas se podem orgulhar!

Valeu a pena, porque foi FÁCIL de ENTENDER!

AS