sexta-feira, junho 29, 2007

2007 Web 2.0 Awards

É um facto que a internet de hoje não é a internet à uns anos e cada vez está mais diferente. Fala-se hoje na "web 2.0", conceito que entre outras coisas está associada ao efeito de comunidade, a informação emergente e à colaboração (google, youtube, wikis, blogs, etc.) .
Quem gosta destas coisas não pode deixar de visitar os prémios deste ano.

Eu pessoalmente acredito que mais do que um conceito interessante, se trata de uma mudança de paradigma. Uma mudança que permite novas formas e comunicar, e também novas formas de fazer dinheiro e criar negócios. Os mais crentes falam na "enterprise 2.0".

Acima de tudo vale a pena acompanhar a evolução.

quarta-feira, junho 27, 2007

Complaint Free World

Mais uma iniciativa para a classe média :) ou psicologia positiva...

Some people see things as they are and say why? I dream things that never were and say why not?

George Bernard Shaw

terça-feira, junho 26, 2007

Do universal ao particular...

Não queria deixar de partilhar algo que se cruzou na minha vida, que acho que está relacionado com o que temos vindo a abordar aqui no blog. Isto com a ressalva de que filosofia está longe de ser a minha área, ou uma área que eu domine...

O Mundo dos Universais

Este problema filosófico, penso que levantado por Platão, procura descortinar a natureza das 'coisas': "O que é 'Ser'?"; "O que é a justiça?"; "O que é a felicidade"; "O que é ser tolerante?".

Nesse sentido, Platão (penso eu), distinguiu estes conceitos: abstractos, a que chamou ideias, dos conceitos concretos, por exemplo, uma coisa é a ideia de "brancura" (abstracto), outra coisa é a "brancura" de uma nuvem (concreto). Sendo que as ideias não existem nas mentes são eternamente elas próprias, imutáveis e indestrutíveis.

Em suma:
- Particular: o que é dado na sensação é um particular.
- Universal: um universal o que pode ser partilhado por muitos particulares.

Isto para dizer duas coisas:
1 - Será que se pode ser feliz no sentido universal ou apenas no particular?
2 - Será que ser livre implica não ser livre de não ser livre?

Aqui poderemos dizer que o valor absoluto da liberdade não existe, ou seja, a palavra liberdade não tem significado se não tiver um conteúdo particular. Uma pessoa pode ser livre de ser/fazer/ter A ou B, mas nunca pode ser simplesmente livre, ou pode?

Eu diria que estes conceitos universais como felicidade, liberdade, tolerância, justiça, etc. contêm em si a sua negação, ou seja, ser tolerante em relação a A, implica não ser tolerante em relação a B.
Deve ser aqui que entram os valores, ou está-me a escapar algo?



Referências : http://www.filedu.com/brussellprobfil9.html

segunda-feira, junho 25, 2007

mais do que Arte

(obrigado Carla)

Comments please!

Antes de mais, lançamos o desafio de responder a estas questões a todos aqueles que opinem sobre estes temas. Pedimos que nos dêem a vossa opinião, o vosso modo de olhar o mundo, a vossa visão de quais são os princípios que vos movem para atingirem o tal estado de equilíbrio pessoal!

Por isso aqui ficam algumas perguntas que acho que todos já se questionaram (pelo menos se lêem este blog... o que é o caso!). Por agora, esperamos ouvir bocas, opiniões e, até quem sabe, divagações filosóficas das mentes mais pensadoras que andam por aí!


Por isso aqui fica um conjunto de perguntas a debater! Queremos ouvir a vossa opinião!



Retomando a clássica pergunta do Lapão, é possivel querer ter “uma vida de
felicidade e uma vida de significado”? Ou apenas se consegue optar por uma delas?
(enquadrem a pergunta no âmbito do texto do Lapão)


Separando agora um pouco as águas sobre o “The Secret”.


-Qual foi a vossa opinião sobre o filme?


-Mudou alguma coisa na vossa maneira de pensar e encarar a vida?


-Foram apresentados argumentos reais e plausíveis? Ficaram curiosos de conhecer mais este “segredo”?



-Acharam que existe neste filme um princípio fundamental da forma como vivem?


-Esta “lei da atracção” é para vocês apenas uma diferente percepção do mundo onde vivem ou algo mais? Caso seja uma percepção diferente, há algo a fazer em relação a isso?


Apesar de ser uma pergunta muito complicada e vasta, vou tentar faze-la de um modo simples e objectivo: (podem divagar...)
-Relativamente ao poder das emoções vs lógica/razão qual o mais
predominante na vossa vida? Poderemos confiar totalmente em algum deles? Se não, como fazer a distinção e saber utilizar a lógica em vez dos sentimentos ou vice-versa? O que há para lá de ambos?


And now for something completely different...

Bitoque ou bife com batatas fritas com ovo a cavalo?

Aquando na Adega da Bairrada, Arroz de Quá-Quá ou Polvinho à Lagareiro?

Porqueque existem pessoas que usam tantos diminutivos?

Mas quem é que tem tempo para ver o "Segredo"?

A verdade é condicionada pelos olhos de quem interpreta, ou só existe uma verdade?

Não racionalizar as sensações, é ter medo do que elas significam ou simplesmente vontade de viver a vida como ela é?

Devemos viver pelos nossos sentidos, pela razão ou é um misto? O que são os impulsos? E para que servem os valores?

sábado, junho 23, 2007

Excertos da complexidade

Tudo quanto o homem expõe ou exprime é uma nota à margem de um texto apagado de todo. Mais ou menos, pelo sentido da nota, tiramos o sentido que havia de ser o do texto; mas fica sempre uma dúvida, e os sentidos possíveis são muitos.

(...) o espírito humano tende naturalmente para criticar porque sente, e não porque pensa, a maioria desses jovens escolheu a Humanidade para sucedâneo de Deus.

A Decadência é a perda total da inconsciência; porque a inconsciência é o fundamento da vida. O coração, se pudesse pensar, pararia.

(...) não se reage independentemente, porque reagir é elas terem feito que reagíssemos.

Vigny, para quem a vida é uma cadeia, onde ele tecia palha para se distrair.

E assim sou, fútil e sensível, capaz de impulsos violentos e absorventes, maus e bons, nobres e vis, mas nunca de um sentimento que subsista, nunca de uma emoção que continue, e entre para a substância da alma. Tudo em mim é a tendência para ser a seguir outra coisa; uma impaciência da alma consigo mesma, como com uma criança inoportuna; um desassossego sempre crescente e sempre igual. Tudo me interessa e nada me prende. Atendo a tudo sonhando sempre; fixo os mínimos gestos faciais de com quem falo, recolho as entoações milimétricas dos seus dizeres expressos; mas ao ouvi-lo, não o escuto, estou pensando noutra coisa, e o que menos colhi da conversa foi a noção do que nela se disse, da minha parte ou da parte de com quem falei. Assim, muitas vezes, repito a alguém o que já lhe repeti, pergunto-lhe de novo aquilo a que ele já me respondeu; mas posso descrever, em quatro palavras fotográficas, o semblante muscular com que ele disse o que me não lembra, ou a inclinação de ouvir com os olhos com que recebeu a narrativa que me não recordava ter-lhe feito. Sou dois, e ambos têm a distância - irmãos siameses que não estão pegados.

A beleza de um corpo nu só a sentem as raças vestidas.

Fernando Pessoa in "Livro do Desassossego"

segunda-feira, junho 18, 2007

Science, Fiction or Science Fiction (co-comment)

Isto de ser contribuinte do blog é fixe porque temos o poder de transformar comentários em artigos :) Por isso também vou usar esse poder!

Queria começar por dizer tenho aprendido imenso desde que comecei a escrever neste blog, apesar de toda a minha reticência e preconceito. Lembra quando eu me dizia anti-telemóveis... (que ainda durou algum tempo).

Queria também dizer que o formato de blog que mais me agrada é o de discussão ou conversa, pois também é na partilha e na troca de pontos de vista que crescemos e aprendemos.

Finalmente, gostei bastante do teu post (Gonçalo) e não quero de forma alguma entrar em discussão por discussão, até porque acredito que uma conversa se baseia na compreensão de parte a parte. Nesse sentido vou fazer um esforço para dividir claramente este texto em duas partes: a primeira onde quero tentar perceber melhor o que estás a dizer, sem contrapor ou opinar; a segunda servirá para tentar explicar melhor o que acho que não ficou bem compreendido [este exercício é interessante].


Compreender-te

Não percebi se quando dizes que o filme "The Secret" foi feito para a classe média se é uma opinião tua ou se viste em algum lado. Achas que só a classe média aspira, ou pode aspirar ao sucesso? Ou não querias dizer isso?

Não percebi quais as semelhanças com o filme "Da Vinci Code". Em termos de argumento ou realização, isto é, conteúdo ou forma? Achas que existe uma intenção exclusivamente comercial na realização do filme? Ou parcial? Se parcial, quais as outras motivações? Parecem-me questões interessantes, mas acredito que seja só a mim :)

No entanto, a minha dúvida maior é quando, a seguir, referes que o filme tem na sua raíz alguns dos fundamentais princípios da vida (a lei da atracção?). Isto porque fiquei com a sensação que, depois, estás a argumentar que essa "lei" não é nada mais do que a percepção humana da realidade e uma forma diferente. Existe aqui alguma contradição, ou não?

A minha dúvida, vem de uma outra dúvida minha que é o problema da criação vs criador... isto é, se existe criação tem de existir criador, ou pode haver criação sem criador?
Para não me perder vou usar os teus exemplos. "se seguirmos os nossos objectivos, lá chegaremos", depois referes que "muitos preocupam-se em chegar ao objectivo final e ter aquilo que realmente desejavam" e finalmente dizes que "mais importante do que seguirmos os nossos objectivos é sabermos o que queremos para a nossa vida". Eu não percebo como é que estas três frases podem coexistir? Ou então estou a interpretá-las mal... :(

Queria ainda levantar uma questão. Quando dizes que "aqueles feelings e aquilo que o vosso coração vos diz é das vozes mais sábias que poderão ouvir", estando-te a referir à parte emocional da pessoa, até que ponto é que a emoção é mais válida do que a razão. Isto é, não quero entrar em discussões filosóficas, queria só levantar a questão de que se os sentimento existem na nossa mente, assim como os nossos pensamentos, porque é que uns são mais sábios? Isto com exemplos é capaz de ser mais inteligível... Se eu sinto que um amigo me traíu porque não teve o comportamento que eu esperava eu posso sentir raiva. Se eu disser que estou com raiva dele estou de facto a ser sincero, mas será que estou a ser íntegro?

Fazer-me compreender

Queria começar por esclarecer que os meus dois posts "Want to know the Secret" e "Frase da tarde" não têm nada a ver um com o outro :) Ou seja, eu quando pus um e outro não estava à espera que se estabelece nenhuma ligação entre os dois :)

The Secret

Em relação ao filme "The Secret", a minha ideia era apenas dar a conhecer mais uma perspectiva sobre o mundo e sobre a vida, e quem estivesse interessado fosse à procura de mais. Isto também associado aos novos movimentos "New Thought" e outros, que quanto a mim não têm muito de novidade no conteúdo mas muito na forma.
Eu confesso que, como o Gonçalo diz, também achei o filme exagerado na forma como transmite as ideias subjacentes. O meu comentário na altura foi "americanado demais" (sem ofensa). Quando o enviei a alguns amigos tive o cuidado de dizer "Atenção, o essencial é invisível ao olhos" (Saint Exupery) :) O que realmente me despertou curiosidade sobre o filme foi o programa da Oprah sobre o filme, que na minha opinião transmite a essência do filme, sem bullshit.
Para mim não faz sentido falar do filme sem assumir que existe uma fatia de brilho no filme que não é sustentável. Isso acho que é óbvio, mas depois da gordura, há muita carne que não tem nada de óbvio! Por exemplo não é nada óbvia a diferença entre wishful thinking e believe, assim como não é óbvia a diferença entre sinceridade e integridade.

Felicidade e Significado

Aqui claramente eu não me consegui mesmo explicar! My fault! Isto não tem nada a ver com "The Secret" :)
Na minha opinião significado e felicidade não são possíveis de coexistir, mas isto de forma completa. Isto porque a felicidade é um estado de equilíbrio e nos estados de equilíbrio anulam-se todos referenciais. E significado é uma referencial (Faz sentido, não faz sentido...).
Eu quando falo de conflitos, não estou a falar de conflitos inter- mas sim intra-pessoais.
Ao ler o post do Gonçalo percebi que me esqueci de dizer que acho que estas coisas apenas fazem sentido enquanto caminho, um caminho que é feito pelo próprio, no entanto este caminho implica rupturas, e essas rupturas não são fáceis de perceber ou de fazer.

Think Big (comments em forma de post)!

The Secret - filme muito bem conseguido e com um público alvo bastante bem identificado: a classe média.. Todos nós aspiramos sucesso profissional, amoroso, dinheiro, férias, carros, etc..
Inspirado pelo livro The Science of Getting Rich e por alguns ideais do movimento New Thought (e com algumas semelhanças óbvias com o filme Da Vinci Code) utiliza um dos grandes princípios sobre a forma de lidar com a vida para atingir as "massas" e leva-las a acreditar na solução para os seus problemas! Afinal de contas não é por acaso que "venderam" a ideia segundo "O Segredo" que tinha sido escondido ao longo de séculos...

No entanto, se formos à raiz e aos princípios deste filmes encontramos realmente alguns dos mais fundamentais princípios de vida e como podemos encaramos o mundo.
A energia positiva atrai realmente mais pessoas para essa energia.. Basta pensarmos um pouco e olharmos à nossa volta para em pouco tempo percebermos qual o efeito prático desta forma de pensar. Apesar de exagerado a forma como foi apresentado no filme, é realmente um dos pontos que acho mais fulcrais na maneira como lidamos com o nosso presente e olhamos para o futuro...
A vida pode ser realmente aquilo que nós queiramos que ela seja. Tudo aquilo que desejamos e sonhamos em um dia ter podemos na realidade ter. Obviamente não na forma como é apresentada neste filme (se pensarmos muito sobre o que desejamos, isso será “atraído” para nós...). Mas a realidade é que se seguirmos os nossos objectivos, lá chegaremos! No entanto penso que muitos preocupam-se em chegar ao objectivo final e ter aquilo que realmente desejavam. Mas esquecem-se de qual o caminho a percorrer para lá chegar. Mas é nesse caminho que está o gozo e a felicidade! Não em chegar propriamente ao objectivo que tínhamos estipulado.. E ainda mais importante do que seguirmos os nossos objectivos é sabermos o que queremos para a nossa vida! O que me faz feliz? O que me faz sentir bem comigo próprio e com o mundo que me rodeia? De quem realmente gosto e quem são os meus verdadeiros amigos? O que quero fazer de novo nesta vida que ainda não fiz? Para onde quero ir? Com quem?
Os sonhos são o impeto que nos guia e que alimenta a nossa força para atingir os nossos objectivos. E não se esqueçam, quando sonharem sonhem como qualquer sonho deveria ser.. sem limites, sem barreiras, sem aquilo que vos prende de dar um passo ainda maior..
Sejam objectivos, definam quais as metas para a vossa vida e utilizem a vossa inteligência para pôr os vossos planos em prática. Escutem os vossos sentimentos porque são o vosso principal instrumento para vos orientar em relação aos que vos rodeiam. Aqueles feelings e aquilo que o vosso coração vos diz é das vozes mais sábias que poderão ouvir.
E a felicidade e o significado podem coexistir! Pode ser um caminho tortuoso e difícil de percorrer mas essa é uma escolha que temos de ser nós a tomar. Saber aquilo que queremos. Descobrir como podemos atingir e quebrar as barreiras que existem nos nossos sonhos e passa-las para a realidade. Aproveitar a caminhada e saborear todas as vitórias.. Sempre ouvi dizer que o vencedor não é aquele que ganha as primeiras batalhas, mas aquele que nunca deixa de acreditar nela até ao fim. É preciso acreditarmos realmente no que queremos para sabermos que irão haver conflitos e que os iremos ultrapassar. Não vale a pena vivermos obcecados com esses objectivos. Basta irmos dando um passo de cada vez na direcção que queremos.


Faith is taking the first step even when you don't see the whole staircase
Martin Luther King Jr.

You have to think anyway, so why not think big?
Donald Trump, 1946

domingo, junho 17, 2007

Frase da tarde...

Chega uma altura na vida em que um homem tem de se perguntar, se quer uma vida de felicidade ou uma vida de significado. Não se pode ter as duas!


Ou pode?

quinta-feira, junho 14, 2007

Grabe your camera a learn how to make (and retouch) great photos!




by Stéphane Rey-Gorrez


Um grande fotógrafo que descobri aqui por Paris que domina bem a arte de trabalhar uma "normal" fotografia. Aconselho a visitarem o site dele ou se quiserem conhecer mais alguns artistas fantásticos ou comprar alguns dos seus trabalhos fotográficos podem vir aqui.

Living in Paris

Digamos que o meu forte não é descrever em detalhe quais as actividades e aventuras que tenho feito aqui por Paris, mas a minha house-mate tem claramente dotes para conseguir descrever tudo até ao mais último detalhe! É um verdadeiro pequeno diário da vida aqui por estas bandas. Obrigado Filipa ;-)

Por isso se quiserem ficar mais a par do que ando para aqui a fazer no meu tempo livre quando não estou a trabalhar aqui ficam alguns relatos com os links para o texto completo:

"...boulangerie connosco, para nos abastecermos para o picnic, e 5 minutos depois de nos sentarmos caiu a chuvada do ano, com direito a trovoada e uma ventania de fazer levantar vôo! 30 minutos depois, o sol volta a brilhar e acompanhou-nos até ao final do dia. Corremos a École Militaire, os Champs des Mars, a Torre Eiffel, apanhámos o metro no Trocadero e continuámos..."
http://moraiscaldas.blogspot.com/2007/05/diz-se-que-e-alguns-qus-de-engraado.html

"...o ponto de encontro com os restantes era no Princess and the Frog, em Mabillion, de onde fomos expulsos às 2h ou 3h, ainda de copos na mão...Continuámos para o La Peña, clube de salsa ou algo do género, cave super abafada e apinhada de gente..."
http://moraiscaldas.blogspot.com/2007/06/non-stop-weekend.html

"...picnic na Pont des Arts, onde se juntou um grupo enorme! Para além dos quatro residentes na nossa morada, juntaram-se a Isabel e dois colegas, o Rodrigo e a sua guitarra, um casal francês amigo do Pepe, os ex-contactos Ricardo e Inês acompanhados de duas amigas, a Cristina e 3 amigos, o Paulo..."
http://moraiscaldas.blogspot.com/2007/06/planear-ou-no-planear-eis-questo.html

4th Season!?

Acabou a terceira época :(
Será que vai haver uma quarta? Espero que sim!

Um dos personagens mais fascinantes... Para alguns um vilão, para outros um herói, sem dúvida um "ser" complexo, como todos nós!

quarta-feira, junho 13, 2007

Santo António 2007




A Bica tornou-se o nosso refúgio no Santo António. Este ano, mais uma vez cumprimos a tradição, desta vez sem o título de estudantes, mas com a mesma vontade de fazer a festa.

Lisboa, transforma-se nesta noite! As ruas enchem-se, as janelas de casas de família do dia a dia, transformam-se em balcões de bares improvisados. Os velhotes sorriem às janelas satisfeitos por verem que a tradição permanece, que as ruas enchem, que os jovens dançam. Sem dúvida uma grande noite de Santo António!

terça-feira, junho 12, 2007

Angola

"13.2 milhões de habitantes, PIB per capita de 670 USD*. 68% da população com menos de 1USD por dia. Esperança média de vida de 40.1 anos, com taxa de mortalidade infantil de 53.4% (por 1000 nascimentos) e taxa de prevalência do HIV/SIDA de 5,5%. Apenas 38% da população tem acesso a água potável e 24% a cuidados médicos. Existem 0.13 PC’s e 0.59 linhas telefónicas por cada 100 habitantes. Dos milhões de dólares que Angola recebe em Ajuda Pública, cada pessoa recebe 23 USD. 49.4% da população tem menos de 15 anos.
Eram, à primeira vista, apenas números. Indicadores como tantos outros que tive de analisar e recolher e que, juntamente com as imagens difundidas pelos medias e documentos analíticos, criaram uma “imagem” da Angola que me preparava para visitar.
Toda a preparação prévia, troca de impressões e expectativas criadas não evitaram que, no Domingo 20 de Março ao sair do aeroporto a caminho do Hotel Trópico de Luanda, me sentisse atordoada com o tempo opressivo de tão quente, o ar espesso, a cor alaranjada do fim de tarde e, sobretudo, com o choque dos musseques ao longo da estrada (os remédios para a malária também não ajudaram).
Durante duas semanas foram reuniões constantes (de 21 de Março a 1 de Abril, saltando do Ministério do Planeamento para o Banco Nacional de Angola, do PNUD para o Tribunal de Contas, do Ministério dos Petróleos para o da Família e da Mulher, entre outros, passando sempre pelo das Finanças) discutindo a estratégia de desenvolvimento e maiores necessidades do sector, inteirando-se do progresso das diversas reformas ou na realização dos ODM, nunca esquecendo de averiguar o estado de execução dos projectos do BAD.
Tive de conduzir cada reunião, ouvindo o Country Economist em Francês, traduzindo (quase em simultâneo) para Português, esperar pela resposta e voltar a traduzir em Francês ou Inglês. Por vezes os interlocutores compreendiam Inglês ou Francês mas respondiam em Português. Desgastante. Mas pior foi o choque do percurso entre cada sítio.
No carro, observando as ruas e as pessoas, saltavam à vista todos aqueles números, o enorme fosso entre uma minoria com acesso à enorme riqueza do país (natural e também doada) que passa em carros de alta cilindrada pela maioria da população (os tais 68%) que vive na pobreza extrema, representada nas crianças e mulheres vendendo bananas e OMO na beira da estrada. Raparigas de 15-16 anos com filhos de meses às costas, sob um sol de 35º e 90% de humidade. E, mesmo vivendo nessas condições, privados de tudo aquilo que tenho e sempre tive como garantido, riem, cantam, dançam ao som de rádios desfeitos e da alegria de naquele momento estarem vivos. Acho que foi isto o que mais me marcou: a simples e honesta felicidade por se estar vivo de quem não conhece aquilo a que chamamos conforto e “condições de vida mínimas”.
Todos os fins de tarde tentava conhecer parte da cidade, do seu ritmo. Descer a rua com paredes marcadas por buracos de balas antigas e telhados de telha lusa, chegar à “baixa da cidade” junto ao Banco Nacional que ao final do dia lembra Lisboa. Fez-me sentir mais saudades de casa e, curiosamente, uma enorme vontade de voltar para Tunes. Fui às praias e restaurantes da Ilha de Luanda, fui jantar ao Trinca Espinhas e sair para o Palos e caminhei junto à Baía, passando pelo Rialto onde se podem comer croquetes, caldo verde e beber uma Cuca ou mesmo uma Sagres. No domingo de Páscoa fui até Cabo Ledo, passando no poeirento e colorido mercado de Benfica e no incrível Miradouro da Lua (onde certamente foram dadas pinceladas de todas as cores que associo a África e aos dias quentes de Verão). No regresso, desviei para a Foz do Kwanza.
E depois de outra semana de trabalho e terminados os 20 dias em Luanda fiquei com uma enorme vontade de voltar, de conhecer mais deste país e deste povo e de, quem sabe, contribuir para que alguns destes indicadores subam e outros desçam, fazendo com que estar sob um sol abrasador à beira da estrada com um sorriso na cara seja apenas uma opção para passar o tempo e um sinal de real esperança e confiança no futuro."

in Newsletter Contacto - Leonor Fontoura, Economista Estagiária (Banco Africano de Desenvolvimento)




Podia falar-vos um pouco sobre o potêncial de Angola e o seu mundo de negócios loucos que está neste momento a acontecer, ou sobre o iato entre classes sociais (se é que realmente existem) e a riqueza dos ricos e a pobreza dos pobres, ou do sorriso de alegria de quem não tem nada mas tem tudo, mas este post só tem um único objectivo. Dar um grande abraço de parabéns ao meu irmão que anda por estas terras ;-) Dá-lhe "pula maluco"!

A "Loucura" dos Santos


Sardinhas, cerveja e confusão... palavras para quê?
Resta saber se será uma noite santa ou uma santa noite!

segunda-feira, junho 11, 2007

Longe, longe, longe de tudo

Fugi de Lisboa....
...fui à minha procura

...e lá estava eu, a apanhar sol numa esplanada solarenga
Uns petiscos
Uns sorrisos
Uns escaldões
Umas cervejas
Uns passeios
Umas praias
Umas noitadas depois ...


Convenci-me a voltar ;)

Quem sabe onde e o quê?

Lembram-se, lembram-se ????
Quem é que não tem saudades!

Para os viciados da bolsa...

Para quem gosta de acompanhar a bolsa e os temas em redor, aqui fica um fórum a visitar que recomendaram-me hoje. Visitei e gostei!

http://www.caldeiraodebolsa.com/

sábado, junho 09, 2007

Recomendação para um sábado à tarde




Sábado à tarde a andar de Hobie Cat na Lagoa de Óbidos. É esta a minha recomendação para um dos vossos sábados nos próximos meses de Verão. Simplesmente excepcional, sobretudo se puderem estar na posição de trapézio. O Cilha foi o leme que pôs o barco a planar e eu a voar...

terça-feira, junho 05, 2007

I could be...



Do I attract you?
Do I repulse you with my queasy smile?
Am I too dirty?
Am I too flirty?
Do I like what you like?

I got to be wholesome
I could be loathsome
Guess I'm a little bit shy
Why don't you like me?
Why don't you like me without making me try?

I tried to be like Grace Kelly ( mmmm )
But all her looks were too sad (ahhh ahhh)
So I tried a little Freddie (MMMM)
I've gone identity mad!

I could be brown
I could be blue
I could be violet sky
I could be hurtful
I could be purple
I could be anything you like
Gotta be green
Gotta be mean
Gotta be everything more
Why don't you like me?
Why don't you like me?
Why don't you walk out the door!

[Getting angry doesn't solve anything.]

How can I help ya
How can I help it
How can I help what you think?
Hello my baby
Hello my baby
Putting my life on my brink
Why don't you like me
Why don't you like me
Why don't you like yourself?
Should I bend over?
Should I look older just to be put on your shelf?

I tried to be like Grace Kelly (mmmm)
But all her looks were too sad (ahhh ahhh)
So I tried a little Freddie (mmm)
I've gone identity mad!

I could be brown
I could be blue
I could be violet sky
I could be hurtful
I could be purple
I could be anything you like
Gotta be green
Gotta be mean
Gotta be everything more
Why don't you like me?
Why don't you like me?
Walk out the door!

Say what you want to satisfy yourself
But you only want what everybody else says you should want

I could be brown
I could be blue
I could be violet sky
I could be hurtful
I could be purple
I could be anything you like
Gotta be green
Gotta be mean
Gotta be everything more
Why don't you like me?
Why don't you like me?
Walk out the door!

I could be brown
I could be blue
I could be violet sky
I could be hurtful
I could be purple
I could be anything you like
Gotta be green
Gotta be mean
Gotta be everything more
Why don't you like me?
Why don't you like me?
Walk out the door!

Oooh, oooh!

Kaching

WC Moving at the Beach

Candeia@Beach

domingo, junho 03, 2007

O Baile

Bem disfarçados, até parecemos uns senhores! Uma excelente noite!
O que lá se passou fica no segredo das fotos ;)

sexta-feira, junho 01, 2007

Rumo à Índia

Nos próximos 40 dias estarei aqui ao lado a apontar as circunstâncias desta viagem.